Economia

Ford vai cortar 7.000 empregos a nível mundial

O grupo automóvel Ford anunciou hoje a supressão até ao final de agosto de 7.000 empregos a nível mundial, para conseguir economizar e adaptar-se ao declínio de vendas de alguns modelos, em particular nos Estados Unidos.

O construtor automóvel norte-americano não divulgou pormenores sobre a eliminação de empregos, mas o total de 7.000 corresponde a 10 por cento do total de trabalhadores.

Com este corte, a Ford “pretende alcançar poupanças anuais de cerca de 600 milhões de dólares” (537 milhões de euros), indicou uma porta-voz, citada pela AFP.

Os postos de trabalho a eliminar envolvem saídas voluntárias e despedimentos, adiantou.

Cerca de 800 empregos serão cortados nos Estados Unidos, Canadá e México, 500 dos quais já esta semana, precisou a porta-voz. Este número acresce ao de 1.500 empregados que deixaram o grupo nos últimos meses na região, mas através de saídas voluntárias.

As medidas para economizar também vão afetar a China, a Europa e a América do Sul.

“Ainda não temos detalhes precisos para cada uma destas regiões […] porque a reestruturação está a ser feita, mas só termina no fim de agosto”, acrescentou a mesma fonte.

“Compreendemos que este é um momento difícil para as nossas equipas, mas as medidas são necessárias para pôr a Ford no caminho do sucesso e preparar a empresa para o futuro”, acrescentou.

As medidas de austeridade fazem parte de um vasto plano de reestruturação anunciado no outono pelo presidente executivo, Jim Hackett, para economizar 11 mil milhões de dólares e fazer da Ford um grupo mais “ágil” com procedimentos de tomada de posição mais rápidos.

A Ford quer adaptar-se à transformação que está a ser feita no setor automóvel, sobretudo com o desenvolvimento de viaturas autónomas e a uma aceleração para os veículos elétricos, o que exige uma modernização das fábricas existentes.

Nesta perspetiva, a Ford está a reorganizar as suas atividades na Europa, ponderando uma possível redução na produção de modelos populares como o Fiesta, o Focus e o Mondeo.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir