Nas Notícias

Foi um choque a notícia da morte de João Semedo, deixa uma boa saudade, afirma Marcelo

O Presidente da República afirmou hoje que a notícia da morte de João Semedo “foi um choque”, pelas suas qualidades enquanto pessoa e enquanto político, e que o ex-coordenador do Bloco de Esquerda “deixa uma boa saudade”.

Marcelo Rebelo de Sousa – que hoje de manhã divulgou uma nota de pesar sobre a morte de João Semedo – falava aos jornalistas num hotel em Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde, onde à tarde terá início a XII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Já se sabia do agravamento nos últimos dias, tinham-me chegado notícias disso e de que poderia ser a qualquer momento, mas é sempre um choque. É um choque, enquanto político e enquanto pessoa”, declarou o chefe de Estado.

“Mas, deixa muita saudade e uma boa saudade”, acrescentou.

O Presidente da República descreveu João Semedo como alguém que “foi notável enquanto político, pelas causas que abraçou e pelas quais lutou, sobretudo no domínio da saúde”, destacando a proposta recente de Lei de Bases da Saúde e a eutanásia.

“Tudo o que era saúde o preocupava muito”, disse.

Como pessoa, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que João Semedo “reunia qualidades intelectuais, de facto, excecionais” e tinha “uma bondade, uma maneira de se dar, um calor humano que permaneceram ao longo de toda a sua vida”.

O médico João Semedo, antigo militante comunista e ex-deputado do Bloco de Esquerda (BE), morreu esta madrugada, aos 67 anos, vítima de cancro.

O chefe de Estado lembrou que o recebeu no Palácio de Belém este ano por causa da eutanásia, em conjunto com o vice-presidente da Assembleia da República e deputado do BE José Manuel Pureza.

“E, apesar da sua fragilidade, de facto, continuava a ser a mesma pessoa que sempre tinha sido. Portanto, é um choque, então à distância”, reforçou.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que já apresentou os seus sentimentos à família de João Semedo e à coordenadora do BE, Catarina Martins, “e a alguns outros companheiros de percurso”.

Mais partilhadas da semana

Subir