Fórmula 1

Fernando Alonso corta ‘cordão umbilical’ com a McLaren

Fernando Alonso deixou de ter qualquer relação oficial com a McLaren, a última equipa que representou na Fórmula 1, em 2018.

O piloto espanhol, que representou a Toyota no ‘Mundial’ de Resistência, pela qual venceu as 24 Horas de Le Mans e competiu nas Rali Dakar, era até agora ‘embaixador’ da marca de Wokinh. Funções que agora deixa de desempenhar.

Alonso tinha alinhado pela McLaren nas 500 Milhas Indianápolis, mas depois de conseguir participar na corrida de há dois anos no ano passado não se conseguiu qualificar para a grande clássica do automobilismo norte-americano e corrida ‘rainha’ da IndyCar.

Não tendo deixado claro quais as razões pelas quais o espanhol se desvincula da marca, a McLaren apenas confirmou que a ligação não continua para 2020, ficando por saber de que forma Fernando Alonso poderá tentar novamente participar nas Indy 500, a prova que lhe falta vencer para conquistar a ‘Trilpe Crown’ – o trio de provas clássicas mais importantes do automobilismo mundial; Indianápolis, GP do Mónaco de F1 e Le Mans.

Pelas mais recentes declarações relacionadas com o seu futuro um regresso do piloto de Oviedo à famosa pista oval de Brickyard poderá acontecer via Andretti Autosport. Mas não há certezas.

“Penso que as razões pelas quais deixei a Fórmula 1 até agora foi o domínio de uma ou duas equipas ser demasiado previsível atualmente, mas em 2021 isso pode mudar e talvez haja uma oportunidade aí”, declarou Alonso, que disputou 95 grandes prémios pela McLaren.

1Shares

Em destaque

Subir