Motores

Fernando Alonso com situação pouco clara para as 500 Milhas de Indianápolis

Os ‘ecos’ que surgem dos Estados Unidos relativos à participação de Fernando Alonso nas 500 Milhas de Indianápolis deste ano são pouco claros.

Há rumores de que a Honda se opôs à ideia do bicampeão do Mundo de Fórmula 1 alinhar pela Andretti Autosport na grande clássica americana, prova ‘rainha’ da IndyCar, que este ano celebra a sua 104ª edição.

Os rumores de que Alonso não competirá mais pela equipa de Michael Andretti são ‘alimentados’ por críticas que o piloto de Oviedo fez à atuação da Honda na F1, e que isso terá determinado que no ano passado tentasse a sua sorte com um monolugar inscrito pela McLaren e animado com um motor Chevrolet.

Fernando Alonso não se conseguiu qualificar para a prova em 2019 e queria tentar novamente a sua sorte este ano. Uma possibilidade viria da Sam Schmidt Motorspors, ligada à McLaren.

Só que a marca de Woking e o espanhol deixaram de estar ligados, até porque Alonso mantém ‘laços’ nos últimos anos com a Toyota, pela qual competiu no recente Rali Dakar. Isso deixa o asturiano apenas com opções por equipas com motores Chevrolet.

Não parece crível que Fernando Alonso o faça numa equipa de topo como é a Penske, que já tem três monolugares confirmados para as Indy 500, mais um para Hélio Castroneves, três vezes vencedor da prova. O mesmo sucede com a Ed Carpenter Racing, que vai alinhar com Ed Carpenter, Conor Daly e Rinus VeeKay.

Sam Schmidt disse que o Bicampeão do Mundo de F1 não o contacto e que está concentrado em ajudar atualmente dois pilotos, Patricio O’Ward e Oliver Askew, sendo que não foi tomada qualquer decisão sobre alinhar com um terceiro carro em Indianápolis.

1Shares

Em destaque

Subir