Nas Notícias

Feriados: O PSD e o CDS querem “avaliar” os quatro que eliminaram

parlamento

Depois da Esquerda anunciar as propostas para repor já em 2016 os quatro feriados eliminados, o PSD e o CDS, que aprovaram essa eliminação, revelaram que vão apresentar um projeto para “avaliar” a reposição, mas sem mudanças no próximo ano.

Um dos temas mais quentes da legislatura anterior voltou neste intervalo entre a queda mais rápida de um Governo e a decisão que o Presidente da República irá revelar: os feriados eliminados.

Recorde-se que o Governo liderado por Passos Coelho mandou eliminar quatro feriados, dois civis e dois religiosos, contando com a aprovação no Parlamento por parte do PSD e do CDS, deixando a esquerda furiosa.

Agora que a esquerda pensa em formar Governo, o assunto voltou à agenda da Assembleia da República, com Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes a exigirem a reposição dos feriados da Implantação da República (5 de outubro), Restauração da Independência (1 de dezembro), Corpo de Deus (móvel) e Todos os santos (1 de novembro) já no próximo ano.

O PS também apresentou um projeto de lei, mas com uma diferença: os dois feriados civis são para repor já para o ano, mas para os religiosos será necessário chegar a acordo com o Vaticano, no âmbito da Concordata.

Ao saber das intenções da esquerda, também o PSD e o CDS apresentaram uma proposta sobre os feriados, suspensos até 2018. Os partidos maioritários na anterior legislatura sugerem que se deve “avaliar” a reposição e não avançar já para o regresso dos quatro feriados (ou os dois civis) já em 2016.

Como a questão dos feriados fez parte das negociações à esquerda para a formação do próximo Governo (se o Presidente da República decidir indigitar o socialista António Costa) e o debate será um dos primeiros do novo Parlamento, tudo aponta para que pelo menos os dois feriados civis venham a ser repostos já no próximo ano.

Em destaque

Subir