Nas Notícias

Falta de tabaco esteve na origem dos distúrbios na prisão de Izeda

A falta de tabaco para venda na cantina prisional foi o motivo que originou os distúrbios hoje ocorridos no Estabelecimento Prisional de Izeda, em Bragança, disse à Lusa fonte do corpo da guarda prisional.

A mesma fonte adiantou que a situação, em que os presos chegaram a incendiar caixotes do lixo e colchões, já se encontra controlada, estando os reclusos já fechados, depois de se terem recusado regressar às celas após o almoço.

Segundo a mesma fonte, os presos queriam comprar tabaco na cantina do estabelecimento prisional, mas a quantidade autorizada para esta semana já está esgotada.

Contudo, em resposta enviada à Lusa, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) nega “em absoluto que se tenha verificado quaisquer incidentes no Estabelecimento Prisional de Izeda”.

A DGRSP indica que reclusos regressaram às celas, após o almoço, “sem qualquer tipo de problemas” e que não houve recurso à força ou à utilização de meios coercivos.

“A única ocorrência anómala, verificada até ao presente momento no Estabelecimento Prisional de Izeda foi a de alguns papeis que foram queimados dentro de um caixote do lixo, situação imediatamente sanada”, esclarece ainda a DGRSP.

O caso ocorreu numa altura que o corpo da guarda prisional está em greve para exigir a revisão do estatuto, atualização da tabela remuneratória, criação de novas categorias, um novo subsídio de turno, alteração dos horários de trabalho e novas admissões.

Mais partilhadas da semana

Subir