Nas Notícias

Ex-bloquista criticava empresas municipais e agora… reforça EMEL

Rui Costa, deputado municipal e ex-adjunto de Ricardo Robles na Câmara de Lisboa, desfiliou-se do Bloco de Esquerda e foi contratado pela EMEL no espaço de cerca de um mês. O ex-bloquista salienta ainda que é apenas “irónico” que reforce uma empresa municipal depois de ter sido uma das vozes críticas contra empresas municipais.

Apesar de romper com o partido, Rui Costa mantém as funções de deputado municipal agora como independente e estas mudanças estão a gerar desconfianças na EMEL e entre os rivais partidários de Rui Costa, que assume que o papel de deputado “não será posto em causa”.

“Estão a dizer que, através desta contratação, o PS está a tentar comprar o meu voto na Assembleia Municipal? Não podiam estar mais enganados…”, revela Rui Costa, em declarações ao jornal Observador.

O deputado, que foi adjunto de Ricardo Robles – que deixou os cargos que desempenhava na autarquia de Lisboa na sequência de uma polémica com questões imobiliárias -, refuta “teorias” de que se, alegadamente, se estivesse a ‘vender’ ao PS, partido do qual já fez parte.

“Votei várias vezes contra o Bloco de Esquerda assim como votei várias vezes contra o PS. E é assim que vou continuar a fazer.”

Rui Costa sustenta ainda que aceitou reforçar a EMEL por entender que é um “ótimo desafio” e, depois de ser uma das vozes críticas das empresas municipais, sustenta que a sua ida para uma empresa municipal é “irónico”.

Por seu turno, a EMEL – empresa responsável pela gestão do estacionamento e mobilidade em Lisboa – nega que a contratação de Rui Costa tenha tido interferência política.

O presidente da EMEL justifica que o deputado vai exercer funções na empresa por forma a “suprir uma lacuna que existia na área jurídica que se prende com o direito rodoviário”.

O Bloco de Esquerda, por via de uma fonte não identificada, não se alonga em comentários e confirma apenas que Rui Costa deixou o partido mas manteve o cargo de deputado na Assembleia de Lisboa, agora como independente.

Mais partilhadas da semana

Subir