Desporto

Esteve meses a arrasar Bruno, mas acaba de aceitar convite para ‘vice’

A pegada digital de Luís Paulo Rodrigues não engana: durante meses, criticou Bruno de Carvalho, pediu a sua demissão, revelou que o então presidente do Sporting deixara de ser seu amigo no Facebook, interpretando esse facto como uma libertação. Apesar de tudo, Luís Paulo Rodrigues acaba de aceitar convite para vice-presidente, com a pasta da comunicação. Decidiu aceitar o convite por uma questão de “lealdade”.

“Vi agora que o presidente suspenso do Sporting Clube de Portugal desamigou-me aqui no Facebook. Sou, portanto, um sportinguista livre”, escreveu Luís Paulo Rodrigues, há três semanas.

Esse ‘corte de relações nas redes sociais’ foi um efeito de sucessivas críticas a Bruno de Carvalho.

Aquando da rescisão de Rafael Leão, o consultor de comunicação exigia a demissão de Bruno.

“Se ainda houver uma réstia de bom senso na cabeça de Bruno de Carvalho, terá que apresentar hoje a sua demissão. A rescisão de Rafael Leão é um rude golpe na formação do Sporting. É preciso estancar esta loucura e convocar eleições no mais curto espaço de tempo”, escreveu.

Antes, manifestava surpresa com a realidade que se vivia em Alvalade. “O Sporting bateu no fundo”, lamentou.

“Estou muito triste, muito envergonhado e muito desiludido com o ataque bárbaro à Academia do Sporting, aos jogadores e técnicos, feito por bandidos de cara tapada. Estou muito desiludido com a gestão esquizofrénica e errática do Presidente Bruno de Carvalho”.

“Escrevo publicamente sobre o meu clube há mais de dez anos. Fui entusiasta da gestão de Bruno de Carvalho desde a primeira hora. Estou em estado de choque”, sublinhou, no mesmo post.

Nesta quarta-feira, Luís Paulo Rodrigues foi apresentado como candidato a vice-presidente do Sporting, com o pelouro da comunicação.

E o que escreveu nas redes sociais, nesta quinta-feira?

“A brigada anónima dos recortes digitais, que precisa da intriga de cara tapada para sobreviver, que fique sossegada: aceitei com muita honra e entusiasmo integrar a candidatura de Bruno de Carvalho, como candidato a vice-presidente com a tutela da comunicação, porque sou, acima de tudo, leal ao Sporting Clube de Portugal”.

“Foi por ser leal ao Sporting que, no âmbito da minha intervenção pública, disse o que pensava sobre os acontecimentos que abalaram a instituição. Em função disso, Bruno de Carvalho decidiu deixar de contar comigo na sua lista de amigos no Facebook”, insistiu.

Diz-se “genuíno e transparente” e revela que “não poderia dizer que não a Bruno de Carvalho”

“Senti que Bruno de Carvalho estava, também, a ser leal ao Sporting Clube de Portugal e a um projeto iniciado em 2013 que transforme o clube fundado por José Alvalade numa instituição forte, plural e independente”.

Defende-se de quem o critica: “Não há contradição nenhuma, nem nenhuma cambalhota”.

Termina o post com sarcasmo, criticando a comunicação social e a dita “brigada anónima”.

“Voltando à brigada digital da maledicência, fiquem sossegados: sou honesto e assumo tudo o que escrevo. Porque tudo tem um contexto. Por isso, não elimino o post. Divirtam-se com as partilhas que eu e Bruno de Carvalho divertimo-nos sendo leais ao Sporting!”

Mais partilhadas da semana

Subir