Economia

Empresas não financeiras melhoraram indicadores económicos em 2017

Os indicadores económicos das empresas não financeiras em Portugal em 2017, conseguiram “aumentos expressivos”, com destaque para o setor do alojamento e restauração, divulgou hoje o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), os principais indicadores económicos do setor empresarial não financeiro registaram evoluções positivas face a 2016, com o volume de negócios, o VAB (Valor Acrescentado Bruto) e o Excedente Bruto de Exploração (EBE) a crescerem 8,6 por cento, 7,7 por cento e 8,1 por cento em termos nominais, respetivamente (2,7 por cento, 6,0 por cento e 8,4 por cento em 2016).

As sociedades do alojamento e restauração destacaram-se “como as que apresentaram crescimentos mais expressivos em 2017 na generalidade dos indicadores económicos, evidenciando aumentos de 16,5 por cento no volume de negócios e de 20,4 por cento no VAB”, sinaliza o INE.

De igual modo, este foi o ano em que, neste setor de atividade, se atingiram máximos históricos nestes indicadores, em termos absolutos.

Em 2017, o setor do alojamento e restauração representava 9,8 por cento das sociedades não financeiras em Portugal (38.329 sociedades), 3,3 por cento do volume de negócios, 8,9 por cento do pessoal ao serviço, e 5,5 por cento do VAB.

Por comparação com 2008, o peso do setor no número de empresas aumentou 0,9 pontos percentuais, no volume de negócios 1,0 pontos percentuais, no pessoal ao serviço 1,5 pontos percentuais, e no VAB 1,6 pontos percentuais.

Em termos gerais, o pessoal ao serviço aumentou 3,8 por cento (3,5 por cento em 2016) e as empresas organizadas sob a forma de sociedades apresentaram acréscimos superiores nesses indicadores (respetivamente 8,8 por cento, 8,0 por cento, 8,9 por cento e 4,9 por cento).

A produtividade aparente do trabalho das sociedades não financeiras aumentou 2,8 por cento para 28 978,87 euros por pessoa ao serviço.

Já o VAB gerado por sociedade, segundo o INE, situou-se em 217 mil euros, mais 4,7 por cento que no ano anterior.

De acordo com os dados hoje divulgados, cada sociedade gerou, em média, 902,6 mil euros de volume de negócios, mais 5,5 por cento que em 2016.

Em 2017, as sociedades não financeiras com perfil exportador representaram 32,4 por cento do VAB e 22,8 por cento do pessoal ao serviço do total das sociedades não financeiras, mais 0,8 pontos percentuais e menos 0,1 pontos percentuais face a 2016, respetivamente.

A remuneração média mensal por pessoa ao serviço registou 1.007 euros em 2017, destacando-se o aumento de 2,5 por cento nas PME (Pequenas e Médias Empresas), que passam de 916 euros em 2016 para 939 euros em 2017.

Desde 2013 verifica-se, segundo o INE, uma melhoria contínua na taxa de investimento das sociedades não financeiras em Portugal, atingindo 21,5 por cento em 2017, mas ainda assim abaixo dos valores anteriores a 2011.

Por dimensão de empresa, observa-se a mesma tendência, sendo que as PME registaram 22,3 por cento e as sociedades de grande dimensão 20,1 por cento, em 2017.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir