Mundo

Empresárias de Hong Kong vão à ONU dizer que manifestantes não representam os cidadãos

A empresária Pansy Ho, filha do magnata do jogo Santley Ho, e a filha do fundador do grupo de restauração Maxim James Tak Wu, vão à ONU dizer que os “manifestantes radicais” não representam os cidadãos de Hong Kong.

Espera-se que as duas mulheres de negócios de Hong Kong, Pansy Ho e Annie Wu Suk-ching, se desloquem a Genebra para uma reunião no Conselho de Direitos Humanos da ONU agendada para terça-feira, noticiou hoje o jornal South China Morning Post.

“As opiniões de um pequeno grupo de manifestantes radicais não representam as opiniões de todos os 7,5 milhões [cidadãos de] Hong Kong. Os atos violentos sistemáticos e calculados deste grupo nunca foram tolerados por todos os [cidadãos de] Hong Kong”, vão dizer as duas empresárias, de acordo com uma copia do discurso que o jornal sediado em Hong Kong teve acesso.

No discurso, a multimilionária que lidera um grupo com investimentos em Macau, Hong Kong e China na área do imobiliário, transportes, hotelaria e construção civil, diz que a proposta às emendas à lei da extradição, que motivaram protestos desde junho, foram “bem-intencionadas”, mas foram “sequestradas” por manifestantes radicais que usaram como “propaganda para minar a autoridade do Governo de Hong Kong de proteger os direitos de um de seus cidadãos”.

Pansy Ho refere-se ao início da discussão das emendas à lei da extradição, na sequência do caso, o ano passado, de um cidadão do território que alegadamente matou a namorada grávida durante umas férias em Taiwan, mas que não pôde ser extraditado porque Taipé e Hong Kong não têm um acordo de extradição.

A filha mais velha do magnata do jogo Santley Ho, de acordo com o discurso que será proferido, defende o uso de gás lacrimogéneo e balas de borracha que os polícias têm utilizado contra os manifestantes desde meados de junho.

“O gás lacrimogéneo e as balas borracha são ferramentas usadas pelas forças policiais em todo o mundo e não são exclusivas da polícia de Hong Kong”, diz Ho no discurso. “Utilizados de acordo com os procedimentos de aplicação da lei, as balas de gás lacrimogéneo e borracha são uma maneira eficaz de criar uma distância entre a polícia e os manifestantes e evitar confrontos físicos e ferimentos”, acrescenta.

Ho vai ainda dizer no discurso que os protestos tiveram um “impacto prejudicial” na economia de Hong Kong.

A chefe do Governo de Hong Kong anunciou na quarta-feira a retirada da lei da extradição, que esteve na origem dos protestos que duram há três meses no território.

Apesar do anuncio do Governo os ativistas pró-democracia já garantiram que os protestos iriam continuar.

Motivados pela proposta que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China continental, os protestos evoluíram para uma campanha pró-democracia, durante a qual mais de um milhar de pessoas foram detidas, entre elas proeminentes ativistas e deputados.

Neste momento, restam quatro reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir