Nas Redes

Eduardo Beauté comenta o que é “ser pai”

Eduardo Beauté volta a questionar-se sobre a paternidade. Sem nunca citar Luís Borges, o cabeleireiro faz uma longa reflexão sobre “estar presente”, nem que seja “à distância”.

Não é a primeira vez que Beauté acusa o ex-marido de ser um ‘pai ausente’. Agora, “volto a questionar-me se estarei a desempenhar dignamente a paternidade de três filhos maravilhosos”, escreveu o cabeleireiro.

“A presença de um pai na vida de uma criança é de extrema importância para o seu desenvolvimento e para o seu comportamento futuro perante a sociedade”, defendeu Eduardo Beauté, numa indireta para Luís Borges.

Sem nunca referir o ex-marido, Beauté revelou que ‘ser pai’ é “estar presente nas mais pequenas coisas/tarefas/hábitos do dia a dia dos filhos”, com reflexos na “formação como ser humano de carácter e de valores”.

“Ser pai é ‘estar ali’ diariamente, por perto, mesmo que a vida às vezes se encarregue de nos afastar um pouco (motivos vários: profissionais, pessoais…). Ser pai é procurar quem mais amamos, é olhar nos olhos; é baixar-se ao nível da criança e mostrar que não há níveis de superioridade, pois em família somos todos iguais; é pegar num telefone e ligar para ouvir as suas vozes; é acompanhá-los, mesmo que à distância, desde a hora que acordam até que se deitam”, acrescentou, sempre sem citar o nome do ex-marido.

“Filhos não são descartáveis, filhos são para a vida, mesmo que tenham sido escolhidos pouco tempo depois de terem nascido, porque independente de tudo, filho será sempre filho”, insistiu.

“Esta reflexão sobre mim mesmo enquanto pai, o que mais me deixa feliz na minha vida e o que me apazigua a alma, é sentir que sou realmente pai desde o minuto que abro olhos até ao minuto que os fecho para dormir. E mesmo assim, os meus ouvidos estão sempre alerta e tentos a qualquer sinal que faça crer que algum deles precisa de mim”, concluiu Eduardo Beauté.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir