Nacional

“É difícil ser-se a Cristina Ferreira”, confessa a apresentadora

A dois dias de estrear o seu programa na SIC, Cristina Ferreira foi a convidada especial de Daniel Oliveira, no ‘Alta Definição’. A apresentadora sublinhou que existem duas Cristinas e que, às vezes, adorava tornar-se “invisível”.

Cristina Ferreira abriu o coração na última grande entrevista antes da estreia do seu programa, agendada para a próxima segunda-feira.

A mudança para a SIC, claro, foi abordado pela apresentadora.

“Preparei-me para tudo isto. Sabia o impacto que teria esta mudança, sabia o que as pessoas iam dizer. Talvez não me tenha preparado paro o turbilhão em que fui envolvida nos últimos meses. (…) Doeram algumas coisas, pelo caminho ficaram também algumas pessoas e alguns momentos”, afirmou.

Para Cristina, a melhor forma de lidar com a pressão é a verdade.

“Não vale a pena inventar. Se tu fores tu e se disseres concretamente e de verdade o porquê, as pessoas percebem. É muito difícil ser-se a Cristina Ferreira. (…) Não foi muito difícil no início, porque ainda tinha alguma liberdade de ação e de vida para além da televisão. Hoje em dia é [difícil]. Sinto que há implicações, não só na minha vida, mas na vida de todos aqueles que vivem comigo”, explicou.

A apresentadora recordou também a infância, quando “estudava em frente ao espelho a fingir que estava a dar notícias”, dando especial atenção à família.

“São eles o meu porto seguro, é a minha família que é a minha estrutura. Eles sabem como sou”, contou, antes de confessar que é uma “Cristina diferente no ar e fora do ar”.

“Sou a que não faz perguntas, a que não dança, a que está sossegada num canto, que não precisa de maquilhagem nem de vestido, nem de saltos altos. Dou por mim a olhar para o espelho e a pensar: eu adoro esta cara lavada mas não posso ir para a rua de cara lavada porque alguém que tem uma imagem minha vai querer tirar uma fotografia”, explicou.

Por isso, explica:

“Eu adorava que, quando a televisão se desliga, houvesse um botãozinho que me desligasse também. Tornar-me invisível em alguns momentos. O que não quer dizer que eu não adore o carinho das pessoas”.

Natural da Malveira, onde ainda reside, Cristina Ferreira sublinhou o orgulho nas suas raízes a Daniel Oliveira e falou ainda de António Casinhas, uma pessoa que vai amar “sempre”.

“No dia em que me achar mais do que aquilo que realmente sou, haja alguém que me puxe, se faz favor. E eu ainda não precisei disso, porque todos os dias a terra puxa-me. E eu sei de onde é que vim e eu sei que é lá que eu existo”, concluiu.

Mais partilhadas da semana

Subir