Nas Notícias

“Digam não”, aconselha aos portugueses o prémio Nobel da economia Paul Krugman

“O dedo da instabilidade chegou agora a Portugal, com o Governo, claro está, a propor a cura com mais austeridade”, resumiu o economista, no artigo ontem publicado no The New York Times, na sequência do chumbo do Tribunal Constitucional a quatro normas do Orçamento do Estado em vigor.

Na opinião de Krugman, é em Portugal que a zona euro vai ‘testar’ as consequências da próxima etapa da crise europeia. Essa opinião será explicada em breve, prometeu: “se tivesse mais energia, iria mergulhar na próxima fase da crise europeia, mas vamos ter de esperar”.

O economista está apreensivo com a iminência de Portugal ter de ‘inventar’ as verbas para tapar as receitas chumbadas pelo TC, depois das normas referentes à suspensão do pagamento do subsídio de férias a funcionários públicos, aos contratos de docência de investigação e aos pensionistas e à criação de uma taxa sobre as prestações por doença e por desemprego terem sido declaradas inconstitucionais.

Ainda ontem, o primeiro-ministro garantiu que vai corrigir o Orçamento através da redução da despesa pública, em especial na segurança social, saúde, educação e empresas públicas, sem recorrer a um novo aumento de impostos.

Páginas: 1 2

Em destaque

Subir