Desporto

Desabafo de Eric Dier sobre a saída do Sporting: “Fui muito maltratado”

eric dierAgora que está no Tottenham, Eric Dier conta o verdadeiro motivo por que deixou o Sporting. “Nunca tinha tido problemas”, mas desde a entrada de Bruno de Carvalho que o central se sentiu “muito maltratado”. “Saio sem uma palavra do presidente? Para mim, é estranho”, salienta.

Ao longo de 12 anos, Eric Dier fez a formação no Sporting. Na hora de se afirmar como sénior, o defesa central deixa Alvalade e ruma ao Tottenham. Os motivos corriam como rumores, mas só agora é que o próprio jogador conta o que se passou: “fui muito maltratado”.

“No último ano e meio fui muito maltratado. Nunca vou esconder isso. Para alguém que estava no clube desde os oito anos e que nunca tinha tido problemas com ninguém… Acho que fui maltratado e as pessoas dentro do Sporting sabem disso”, afirmou Eric Dier, numa entrevista ao Record.

O defesa tentou não se alongar, pois “esta não é a altura certa para estarmos a falar sobre tudo”, mas prometeu que “um dia no futuro as coisas irão sair cá para fora”.

Para já, revelou o que aconteceu no último dia ao serviço do Sporting: “fui à Academia de Alcochete na quinta-feira de manhã para ir buscar as minhas coisas e despedir-me de toda a gente. O presidente estava lá, cumprimentou-me e não disse nenhuma palavra. Seguiu em frente. Não me desejou boa sorte nem nada, o que é um pouco estranho. Estive no Sporting durante 12 anos e saio sem uma palavra do presidente? Para mim, é estranho”.

Os problemas começaram, alegou, “desde que esta direção assumiu a presidência do clube”. Na altura de renegociar o contrato, os dirigentes insistiram em “meter cláusulas impensáveis”.

“O problema nunca foi o dinheiro. Nunca ia tomar uma decisão apenas baseada no dinheiro. Tive várias oportunidades para sair e nunca o fiz. Isso demonstra que não era essa a questão. As cláusulas que o Sporting queria impor é que dificultaram as negociações”, reforçou.

“Uma cláusula de 45 milhões de euros implica um ordenado ao mesmo nível”, o que nunca se ofereceram, acrescentou o defesa: “além do mais, ficamos completamente presos ao clube. Sou um central e queriam-me pôr uma cláusula de 45 milhões com um salário que não justifica esse valor? Nem pensar”.

Ao contrário dos dirigentes, o treinador Marco Silva teve uma palavra para com o jogador: “toda a gente no Sporting gosta muito dele, da sua forma de trabalhar, da sua relação com o grupo de trabalho. Desejou-me boa sorte e que tudo me corresse bem. É um ótimo treinador”.

Para Eric Dier, o Sporting continua a ser “uma segunda família”, apesar de agora representar o Tottenham, que pagou os cinco milhões de euros da cláusula de rescisão. Em Inglaterra, deixa uma promessa: “sou do Sporting, por isso não me vejo a jogar num outro clube em Portugal”.

Já quanto a William Carvalho ir para a Premier League, o central considera ser possível. “Tem lugar em qualquer equipa do mundo”, justificou.

Em destaque

Subir