Local

Cristas evita polémicas de polícias com PR e admite visitar bairro da Jamaica

A presidente do CDS-PP evitou hoje a polémica das críticas da associação da polícia à visita do Presidente da República ao bairro da Jamaica, Seixal, e não excluiu vir a deslocar-se ao local.

“Não vou fazer comentários à agenda do senhor Presidente nem aos comentários que se fazem a propósito”, afirmou aos jornalistas Assunção Cristas, no final de uma visita ao centro juvenil e comunitário padre Amadeu Pinto, em Almada.

Sem nada dizer sobre as críticas da Associação Sócio-Profissional da Polícia, considerando que Marcelo Rebelo de Sousa mostrou “desprezo completo” pelas forças de segurança, a líder centrista repetiu argumentos, já usados a propósito dos incidentes no bairro da Jamaica, sobre a importância da polícia para a segurança e liberdade dos cidadãos.

“Para todos sermos livres, temos que ter segurança, nas cidades, nos bairros, sejam eles mais carenciados ou mais privilegiados. E quem nos garante essa segurança, de facto, são as forças da policia”, afirmou.

Para Assunção Cristas, é preciso valorizar as polícias “e reconhecer a sua autoridade” e explicar que “não faz sentido” haver territórios onde a polícia não pode estar, não pode intervier para restabelecer a segurança entre os moradores”.

E sobre o caso específico do bairro, onde se deram os incidentes e que o Presidente da República visitou, sozinho, fora da agenda oficial, na segunda-feira, a presidente do CDS disse não confundir “ações pontuais” com “as populações que querem andar para a frente com a sua vida, em condições de tranquilidade e serenidade”.

Questionada se planeia deslocar-se ao bairro, Cristas não excluiu essa hipótese.

“Neste momento não está prevista, mas não quer dizer que não possa acontecer”, afirmou.

834Shares

Mais partilhadas da semana

Subir