África

Crescimento africano manter-se-á abaixo do necessário para a criação de emprego

O crescimento económico de África continuará a crescer abaixo do necessário para a criação de emprego, e o investimento no capital humano e físico que permita criar postos de trabalho é o seu maior desafio, assinalou o FMI.

O Grupo Consultivo do FMI para África, reunido este fim de semana em Washington no âmbito da reunião de primavera do Fundo, com a presença da diretora da instituição, Christine Lagarde, apontou ainda para a necessidade do continente reduzir significativamente as suas vulnerabilidades associadas à dívida, pública e privada.

“Neste contexto, concordamos que os países [africanos] precisam de criar margens orçamentais, precisam de aumentar a resiliência, incluindo às alterações climáticas, e de criar condições para um crescimento elevado e inclusivo, passando pela remoção de obstáculos à igualdade de género”, afirmou o comunicado conjunto assinado pela diretora do FMI e pelo presidente do Grupo Consultivo, Kenneth Ofori-Atta.

A necessidade de políticas adequadas ao reforço do mecanismo de transmissão monetária; a remoção de barreiras ao comércio, incluindo no âmbito do Acordo de Livre Comércio Africano; o ataque aos fluxos de financiamentos ilícitos, a par do reforço da governança e do aumento da eficiência da máquina fiscal fazem parte dos objetivos identificados como prioritários pelo grupo para o continente.

Lagarde garantiu que “o Fundo manterá o estreito envolvimento com os seus membros africanos e continuará a apoiar os esforços das autoridades na supressão dos desafios macroeconómicos e estruturais e assim como no alcance de um crescimento forte, durável e inclusivo que promova o crescimento do mercado de trabalho”.

Kenneth Ofori-Atta encorajou, pelo seu lado, os estados membros africanos a manterem os compromissos com as reformas estruturais, mas, ao mesmo tempo, apelou à paciência do Fundo na condução dos seus programas, sempre que for demonstrado o compromisso das autoridades em relação aos objetivos e sucesso dos programas.

Mais partilhadas da semana

Subir