Mundo

Confessou ter matado a filha por esta tentar roubar preservativos

Homem muçulmano confessou ter matado a própria filha por esta ter tentado roubar preservativo para ter relações com o namorado.

O caso ocorreu na Alemanha em janeiro deste ano (mas só agora o homem terá confessado o crime). Segundo Daily Mail, o homem terá matado a filha por esta ter tentado roubar preservativos para ter relações com um namoro que os pais não aprovavam.

Asadullah Khan, de 51 anos e a sua esposa, Shazia, do Paquistão, estão a ser julgados pelo crime da morte da filha.

Segundo o Daily Mail, e citando relatos do homem em tribunal, o pai queria que a filha Lareeb, de 19 anos, casasse num matrimónio arranjado pelos próprios pais e não por sua própria escolha.

A mãe contou em tribunal que não teve mão para impedir este ato do marido, afirmando que era totalmente controlada pelo marido. Contou que numa discussão a filha terá agredido o pai e que, nessa noite, o homem terá ido ao quarto da jovem e cometido o crime, estrangulando a própria filha.

“Lareeb dormia muitas vezes fora de casa e deixou de usar o véu. Um dia, recebemos uma carta da polícia a dizer que ela tinha sido apanhada a tentar roubar preservativos. Nessa altura, percebemos que havia relações sexuais. Quando mostrei ao meu marido, ele perdeu a cabeça”, explicou a mulher.

Apesar do relado da mãe em tribunal, a irmã mais nova de Lareeb contradiz a mãe, dizendo que a mesma não era oprimida pelo pai e que ela podia fazer o que quisesse.

“A minha mãe não era oprimida, ela podia fazer o que quisesse. Costumava bater-me com um bastão”, afirmou a filha mais nova do casal.

 

Em destaque

Subir