Desporto

Clubes portugueses gastaram mais em intermediários do que em passes de jogadores

Portugal foi em 2018 o quarto país em todo o mundo que mais dinheiro gastou com a utilização de intermediários na transferência de futebolistas, revelou a FIFA, num estudo publicado hoje no site oficial. Segundo a publicação anual do organismo, os clubes portugueses gastaram neste ano 38 milhões de euros em intermediários e 24,7 milhões na contratação de novos jogadores.

Neste ‘campeonato’, a Inglaterra lidera com alguma vantagem, tendo desembolsado 136,8 milhões de euros, seguida da Itália, que gastou 116,5 milhões, e da Alemanha, que apresenta um valor bem mais baixo de ingleses e italianos, com 49,2 milhões.

Os clubes portugueses gastaram mais do que os espanhóis, que ficaram pelos 33,6 milhões de euros, e franceses, que desembolsaram 29 milhões. O Brasil, no sétimo lugar, é o primeiro país não europeu que aparece na lista, com 13,3 milhões.

Em contratações, a Inglaterra também encabeça a lista, com 114,9 milhões gastos, enquanto a França surge na frente em vendas, com 22 milhões, com Portugal a aparecer no quinto posto em ambas as categorias.

De acordo com a FIFA, em 2018, foram gastos em todo o mundo o equivalente a 481,6 milhões de euros na utilização de intermediários em transferências, com 96 por cento desse valor a pertencer a clubes que integram a UEFA. Em 2017, o valor tinha-se ficado por 392,8 milhões.

A Itália é o país que mais utilizou intermediários na contratação de novos jogadores, num total de 45,1 por cento das 175 efetuadas, seguida da Inglaterra, com 38,6 por cento das 251 aquisições, numa lista em que Portugal não aparece nos 10 primeiros.

Em vendas, o futebol luso aparece no quinto posto, com 13,6 por cento das 34 transações de jogadores a terem a intervenção de um intermediário. A Croácia lidera esta lista, com 22 por cento das 20 efetuadas.

A FIFA monitoriza o papel dos intermediários em transferências desde 2013, tendo sido pagos desde esse ano o equivalente a 1,88 mil milhões de euros em comissões.

Mais partilhadas da semana

Subir