Motociclismo

Chefe da KTM diz que Miguel Oliveira protagonizou “momento desagradável”

Pit Beirer, o diretor de competição da KTM, classificou a manifestação de desagrado de Miguel Oliveira com a promoção de Brad Binder à equipa de MotoGP da marca austríaca como “um momento muito desagradável”.

O sul-africano, que até este ano competiu em Moto2, foi contratado pela KTM para a sua formação de 2020 na categoria ‘rainha’ do motoclismo. Decisão que desagradou ao piloto português, que contava ser o companheiro de equipa de Pol Espargaro na próxima época.

Miguel Oliveira disse em Phillip Island – por ocasião do Grande Prémio da Austrália – que a decisão o fez sentir “não merecedor” e que a decisão tomada só fazia sentido para a KTM.

A marca austríaca disse na altura que ofereceu um lugar ao piloto de Almada na prova de Msiano, e que ele recusou. Beirer não foi à Austrália, mas agora admitiu que as declarações de Miguel o surpreenderam.

“Foi uma das coisas mais surpreendentes quando Miguel disse aos microfones que estava tão dececionado e que era um claro sinal que na KTM o ignorávamos e não contávamos com ele. Fiquei chocado”, afirmou o austríaco.

Pit Beirer disse ainda: “Fizemos lhe uma oferta, e na minha opinião ele tomou uma boa decisão (ficar na Tech), porque não temos quaisquer desvantagens na Tech3. Mas estas palavras públicas são um pouco injustas naquele momento. Desde então falamos e ele pode lembrar-se da conversa de Misano muito bem”.

“Foi um momento muito desagradável para mim estar em casa a ouvir essas palavras, porque não há qualquer razão na reunião de Misano para nos prevenir desta situação. Mas agora não interessa, está decidido e colocamos um ponto final nisto”, referiu também o chefe da KTM Motorsport.

Beirer diz que Miguel Oliveira “está contente. Foi para Hervé (Poncharal, chefe da Tech3), que depois lhe confirmou que ele podia ficar”, e refere que “tudo está claro” e que para si a KTM “teve de encontrar um segundo piloto para a equipa de fábrica”.´

”Claro que podemos ir ter com o Miguel e perguntar-lhe se quer vir ou não”, diz o líder da KTM, sendo que a situação atual do piloto português é complicada, pois a lesão no ombro fá-lo falhar o final da temporada, e levou a Tech3 a chamar Iker Lecuona para o Grande Prémio da Comunidade Valenciana.

1Shares

Mais partilhadas da semana

Subir