Nas Notícias

CDS deve “construir alternativa à esquerda”. O adeus de Cristas ao Parlamento

A líder demissionária do CDS, Assunção Cristas, fez hoje o seu discurso de despedida do parlamento no encerramento do Orçamento do Estado de 2020, em que defendeu que o partido deve continuar a “construir” uma alternativa à direita

“Porque em democracia há sempre alternativa, se não é para hoje, é para amanhã”, disse Assunção Cristas, na sua última intervenção no plenário da Assembleia da República antes de deixar o cargo, dentro de 15 dias no congresso, em Aveiro, que vai eleger o seu sucessor.

Para Cristas, “é dever do CDS dizer a verdade às pessoas”, “é dever do CDS não baixar os braços” e “fazer renovadamente o trabalho de construção de uma alternativa”.

Dez anos depois de ter entrado na Assembleia da República como deputada dos centristas, recordou que a sua intervenção foi “precisamente na área do Orçamento e das Finanças”.

“O que ouvi então, infelizmente, é bastante semelhante ao que ouvi ontem. O que aconteceu a seguir é conhecido”, afirmou a líder centrista demissionária, quando o Governo era já liderado pelo PS e por António Costa, depois de criticar a proposta do Orçamento para este ano.

Para o futuro, Cristas, que vai manter-se como vereadora do CDS na câmara de Lisboa, prometeu continuar “a acreditar na força criadora das pessoas”.

“Continuo a acreditar que temos um país maravilhoso com pessoas extraordinárias, que com o enquadramento certo, com a ajuda certa – que muitas vezes é simplesmente a não desajuda por parte do Estado – podemos construir um país” liderante em vários domínios e verdadeiramente sustentável em todas as suas dimensões”, disse.

Após as eleições de 06 de outubro, em que o CDS perdeu 13 deputados, ficando com apenas cinco, e 4,2% dos votos, Assunção Cristas anunciou que deixaria a liderança do partido no congresso, entretanto marcado para 25 e 26 de janeiro, em Aveiro.

0Shares

Em destaque

Subir