Motores

‘Casino de Espinho’ foi um rali difícil para Gil Antunes

gilantunesespinho4

Gil Antunes e Diogo Correia conheceram uma das provas mais complicadas da temporada no Rali Casino de Espinho, e isso explica em grande parte porque não conseguiu lutar pela vitória na categoria das duas rodas motrizes, como era o seu objetivo inicial.

O evento do Targa Clube foi marcado por más condições climatéricas, e dupla do Renault Clio R3T acabou por se ressentir disso e do facto da mecânica do carro francês não ter colaborado. Isso explica porque acabou o rali no terceiro posto dos R2.

E se no sábado na Porto Street Stage e na super especial de Santa Maria da Feira, Gil Antunes conseguiu ascender ao terceiro posto da categoria, no domingo tudo foi ainda mais difícil para o piloto de Sintra, que viu o motor do Clio R3T desligar-se na partida para a primeira classificativa.

Mesmo assim Gil Antunes manteve alguma luta com os seus mais diretos adversários, até perder muito tempo na última especial da manhã devido ao nevoeiro. Mesmo assim até final mantee o terceiro posto das duas rodas motrizes e o segundo entre os RC3, sendo oitavo da classificação geral.

“Foi um rali difícil. Tínhamos noção que com chuva não seria uma prova fácil para nós. O estado muito escorregadio das especiais era muito propício a erros e optamos por não arriscar”, confessa o piloto de Sintra em jeito de balanço.

“Os nossos adversários, estiveram fortes, com um bom andamento e isso permitiu um rali bem disputado e interessante de seguir. Da nossa parte o balanço é positivo, o resultado é satisfatório, mas acabamos por não conseguir defender a liderança do campeonato”, acrescenta Gil Antunes.

Mais partilhadas da semana

Subir