Mundo

Cancro, sida e diabetes: Venezuela oferece medicamentos aos doentes

hugo_chavezEugénia Sader, ministra da Saúde da Venezuela, revelou que o governo vai distribuir medicamentos gratuitos para doentes com cancro, sida ou diabetes, quer estejam a ser acompanhados no privado ou no público. Esta medida reforça outras ações de apoio já implementadas, com quimioterapia e radioterapia sem custos para os pacientes.

Num país onde o cancro faz mossa – não apenas nos casos mediáticos do presidente Hugo Chávez, ou da jovem miss Venezuela que faleceu aos 28 anos, em 2011 –, o Governo mostra-se sensível ao sofrimento dos pacientes e dificuldades em suportar os custos dos tratamentos, não apenas no cancro, mas também nos casos de sida e diabetes.

Durante um programa de televisão, a ministra Eugénia Sader, titular da pasta da Saúde, anunciou que o Governo vai oferecer os medicamentos aos doentes com cancro, diabetes ou sida, desde que preencham os requisitos exigidos, sendo que a medida aplica-se aos setores público e privado.

As regras para os doentes poderem usufruir estão disponíveis para consulta no site oficial do ministério do Poder Popular para a Saúde e também no espaço virtual do Instituto Venezuelano da Segurança Social. Eugénia Sader informou ainda, no mesmo programa de televisão, que durante 2011 mais de 40 mil doentes oncológicos receberam tratamentos gratuitos, de quimioterapia e radioterapia.

Durante o ano de 2012, o ministério já suportou os custos de tratamentos de mais de 25 mil doentes com cancro. A diabetes e a sida vão constar, igualmente, deste programa de apoio do Governo da Venezuela.

A Venezuela é um país que enfrenta casos mediáticos de cancro. O Presidente Hugo Chávez removeu recentemente um tumor – e está neste momento a ser tratado devido a complicações – e no ano passado a jovem Eva Ekvall, que em 2000 foi coroada miss Venezuela, morreu aos 28 anos, em resultado de um cancro da mama.

Eva, que lutou quase um ano contra a doença, tornou-se uma defensora dos cuidados de saúde naquele país, que acusava de “investir na beleza e não na saúde”. A jovem morreu em Houston, nos EUA, depois de uma dura batalha contra o cancro da mama, que iniciou em 2000, quando a doença lhe foi diagnosticada.

De então para cá, a ex-miss Venezuela vinha travando uma luta paralela, a favor dos cuidados de saúde naquele país. Eva Ekvall utilizou as redes sociais para incentivar à melhoria desses

cuidados. “Neste país, investe-se muito dinheiro na beleza, mas não acontece o mesmo em relação à saúde”, escrevera, no Twitter. Eva Ekvall, apresentadora e modelo, foi considerada um exemplo de perseverança.

Em destaque

Subir