Benfica

Cabo-verdianos em festa já pedem o 38.º título para o Benfica

O jogo Benfica-Santa Clara ainda não tinha terminado e já fumo vermelho invadia o espaço junto à Casa do Benfica na cidade da Praia, em Cabo Verde, onde os adeptos até pedem “o 38.º” título português de futebol.

Dezenas de adeptos assistiram pacientemente ao jogo decisivo da 34.ª e última jornada da I Liga, que os ‘encarnados’ venceram por 4-1, no ecrã gigante colocado pela Casa do Benfica, no Largo Eusébio.

A representação oficial do clube da Luz começou a festa às 08:00, com várias iniciativas para crianças e jovens, mas o ponto alto foi a visualização do jogo, que trouxe muitas alegrias aos adeptos vestidos a rigor, com camisolas e cachecóis, apesar do calor que se sente em Cabo Verde.

Com o filho Marcelo ao colo, Paulo era, no fim da partida, um adepto cansado e emocionado, mas confiante que valeu a pena assistir aos 90 minutos do jogo que atribuiu ao Benfica o 37.º título de campeão.

“Nunca pensei que perdia. Confiança”, disse à Lusa, disposto a festejar a vitória do seu clube do coração, o que o levou a aguardar durante horas para ter um bom lugar na praça.

Para Paulo, o médio Pizzi foi o melhor jogador em campo e, agora, o seu coração de adepto já só pensa no 38.º título.

Roberto Mendes escolheu João Félix como o melhor em campo, mas, como “grande benfiquista” que é, prefere achar que quem melhor jogou foi “a grande família benfiquista”.

Quase a perder a voz, abriu os braços dirigindo-se para as dezenas de adeptos em festa para quase declamar: “É uma grande festa. Somos lusófonos, somos do Benfica, somos da cor vermelha”.

E não tem dúvida que a vitória foi merecida, apesar de “muitos ciúmes dos portistas e dos sportinguistas”. “Mas a vida é mesmo assim. Agora queremos o 38.º”, reforçou.

Igualmente eufórica, Yede Querido confessou que sofreu durante o jogo: “Foi ansiedade a mais”.

Com um chapéu autografado pela antiga estrela benfiquista António Simões, esta adepta disse que é adepta do clube da Luz desde criança e, apesar do resultado volumoso, teria preferido que os golos tivessem chegado à meia dúzia.

Visivelmente cansado, o presidente da Casa do Benfica, Lumumba Barbosa, era um homem feliz na hora de celebrar a vitória benfiquista. As festividades que organizou começaram cedo, mas o ‘mar vermelho’ que invadiu o Largo Eusébio provou que a aposta foi vencida.

“Tem sido um prazer”, afirmou à Lusa, referindo que de manhã foram as crianças quem mais se divertiu, mas que agora o jogo estava a ser bom para todos.

O responsável disse ainda que os objetivos da Casa do Benfica estão a ser cumpridos, tanto na parte social como cultural e que agora ainda há mais para fazer. Por hoje, a festa está prometida para as 22:00.

Mais partilhadas da semana

Subir