Nas Notícias

Bolsonaro acusado de cobardia por questionar dados sobre desflorestação no Brasil

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do Brasil, Ricardo Magnus Osório Galvão, acusou hoje o presidente do país, Jair Bolsonaro, de cobardia, por questionar os números oficiais sobre a desflorestação da Amazónia.

Na sexta-feira, Jair Bolsonaro, durante um encontro com a imprensa estrangeira, pôs em causa os dados fornecidos pelo INPE sobre as taxas de desflorestação da Amazónia, dizendo que os números apresentados são mentirosos.

“Se toda essa devastação de que vocês nos acusam fosse real, a floresta amazónica já teria sido extinta, já seria um grande deserto. Estamos convencidos de que os dados que o INPE forneceu à imprensa não são verdadeiros, que estão a serviço de ONG [Organizações Não Governamentais]”, afirmou Bolsonaro.

Na reação a estas declarações, e em entrevista publicada hoje no jornal Estado de São Paulo, Ricardo Galvão, que dirige o instituto ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações desde setembro de 2016, acusou Bolsonaro de falar de uma “maneira cobarde”, acrescentando que “não vai renunciar” ao cargo.

“Espero que ele me chame a Brasília para explicar os dados e para ver se terá coragem de repetir isso diante de mim, olhos nos olhos”, referiu Galvão na entrevista, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Os dados mais recentes do INPE mostram um aumento de 88 por cento na desflorestação no Brasil em junho, em comparação com o mesmo mês do ano passado.

“A forma como ele [Bolsonaro] falou assustou-me, realmente. Ele fez algumas acusações indecentes contra pessoas do mais alto nível da ciência brasileira”, acrescentou o diretor do INPE noutra entrevista, na rede TV Globo.

É no Brasil que está mais de 60 por cento da floresta amazónica, constantemente afetada pela expansão agrícola.

Dados do INPE mostram que esta realidade se intensificou desde a chegada em janeiro deste ano de Jair Bolsonaro à presidência do Brasil, considerado o campeão do agronegócio.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir