Economia

Atlantic Gateway garante que vai manter ‘hub’ da TAP em Lisboa

O consórcio da Atlantic Gateway, que detém 45 por cento da TAP, reafirmou hoje que pretende manter o ‘hub’ da empresa em Lisboa, referindo que a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia não vai afetar a decisão já tomada.

O Tribunal de Justiça da União Europeia (UE) considerou na quarta-feira que as condições do Governo na privatização da TAP foram “compatíveis com o direito da União”, excetuando-se a obrigação “além do necessário” de um centro de operações nacional.

“As condições estabelecidas pelo Governo português no âmbito da reprivatização da TAP são compatíveis com o direito da União, com exceção da obrigação de manutenção e de desenvolvimento do centro de operações ‘hub’ nacional”, indica o Tribunal de Justiça da UE em comunicado.

O Tribunal de Justiça da UE adianta, contudo, que “a exigência relativa à manutenção e ao desenvolvimento do centro de operações ‘hub’ nacional existente vai além do que é necessário para alcançar o objetivo pretendido de conectividade dos países terceiros lusófonos em causa”.

Os líderes do consórcio, David Neeleman e Humberto Pedrosa, garantiram que esta decisão não vai alterar a sua posição, com a Atlantic Gateway a reafirmar que continua a ser fundamental para a estratégia da TAP ter o seu ‘hub’ em Lisboa como plataforma preferencial entre as Américas e a Europa.

“Portugal está muito bem posicionado para ser um ‘hub’ para receber pessoas na Europa. Está apenas a 3.300 milhas de Nova Iorque. Não há outra cidade grande no continente europeu que esteja mais perto do que está Lisboa”, afirma David Neeleman citado num comunicado enviado à Lusa.

O responsável do consórcio acrescenta que a TAP é um “projeto fantástico”.

“Estou muito satisfeito com a evolução da companhia e com o plano estratégico que estamos a implementar. Continuamos a preparar a TAP para se manter nesta rota de crescimento e é esse o nosso principal desafio para os próximos anos”, frisou.

No mesmo comunicado, Humberto Pedrosa assinala que este é um “projeto ambicioso”, garantindo que existe a máxima confiança no seu sucesso.

“A TAP está numa rota de crescimento e tem tomado medidas para garantir a sua sustentabilidade a longo prazo. Contratou mais 2.200 pessoas, tem mais e novos aviões, 37 até ao final deste ano num total de 71 até 2025, e tem mais nove rotas novas desde a privatização”, salienta.

Atualmente, a TAP é detida em 50 por cento pelo Estado, sendo o restante capital do consórcio Atlantic Gateway (45 por cento) e dos trabalhadores (5 por cento).

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir