Cultura

Ativistas manifestam-se no Coliseu contra atuação de Sizzla Kalonji

sizzlaManifestação contra o concerto de Sizzla – por parte de ativistas e defensores dos Direitos Humanos e minorias sexuais – tenta travar a atuação do rapper no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, hoje à noite. O jamaicano já foi banido em diversos países europeus, por difundir uma mensagem de ódio contra homossexuais, nas letras das suas canções. Portugal ainda o acolhe.

As imediações do Coliseu dos Recreios serão palco de uma manifestação de diversos ativistas, que tentam evitar o concerto de Sizzla em Portugal. Hoje, a partir das 19h30, a luta contra a homofobia volta a sair à rua, com o objetivo de impedir a atuação do jamaicano, que decorrerá (de acordo com o agendamento) amanhã, naquele espaço, em Lisboa.

Sizzla Kalonji tinha agendado um concerto em Lisboa, no TMN ao Vivo, a 5 de abril. Mas a atuação foi cancelada, por motivos que se prendem com a mensagem homofóbica transmitida nas canções. Sizzla ataca homossexuais e transexuais, incitando à violência.

Diversas organizações defensoras dos direitos humanos manifestaram repúdio pela marcação de uma atuação do cantor em Portugal, mas não conseguiram ainda travar este espetáculo no Coliseu dos Recreios.

Sizzla Kalonji é considerado homofóbico. Mais do que uma “manifestação de opinião”, as letras das suas músicas são consideradas “um claro incitamento a crimes de ódio”, suscitados por meras orientações sexuais. Entre essas mensagens, estão refrões como “dispara contra os maricas”, ou os homossexuais “devem morrer”.

De acordo com as organizações que protestaram contra o concerto de Sizzla Kalonji, estaria em causa a violação da Constituição da República Portuguesa, que impede discriminações com base na orientação sexual. O Coliseu dos Recreios poderá ser o palco para Sizzla transmistir a sua opinião racista.

Em destaque

Subir