Nas Notícias

Ativistas brasileiras finalistas ao Prémio Sakharov do Parlamento Europeu

Três ativistas brasileiras, num conjunto que inclui Marielle Franco, assassinada em 2018, estão entre os finalistas do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, anunciou hoje o Parlamento Europeu, que decidirá o vencedor em 24 de outubro.

Marielle Franco, defensora brasileira dos direitos humanos, nomeadamente da comunidade negra, das mulheres e das pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais (LGBTI), que foi brutalmente assassinada em março do ano passado, é candidata a título póstumo ao galardão, em conjunto com a ambientalista Claudelice Santos e a líder indígena Raoni Metuktire, decidiram as comissões parlamentares de Assuntos Externos e de Desenvolvimento.

Os outros dois finalistas na edição deste ano são o economista chinês Ilham Tohti, conhecido pela luta pelos direitos da minoria uigure e pela defesa da implementação de leis regionais de autonomia, e o grupo ‘The Restorers’, composto por cinco estudantes do Quénia (Stacy Owino, Cynthia Otieno, Purity Achieng, Mascrine Atieno e Ivy Akinyi), que desenvolveram uma aplicação móvel (o i-Cut) para promover a luta contra a mutilação genital feminina.

Os eurodeputados das comissões de Assuntos Externos e de Desenvolvimento escolheram entre os diversos nomeados propostos pelas diferentes bancadas parlamentares ou grupos de eurodeputados em setembro passado.

Da lista de nomeados constava um outro brasileiro, o político Jean Wyllys, que deixou o Brasil por ameaças de morte depois de, durante dois mandatos, ter apresentado propostas de lei sobre questões como o casamento homossexual, a legalização do aborto, a regulamentação do trabalho sexual, a de identidade de género e legalização da canábis. No entanto, Wyllys não foi selecionado para a lista de finalistas.

Marielle Franco, cujo assassínio continua a ser alvo de um processo judicial, foi proposta pelos socialistas europeus, pela Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde e pelos Verdes europeus.

A líder indígena brasileira Raoni Metuktire, de 89 anos, é conhecida internacionalmente pela luta pela preservação da Amazónia e dos costumes dos povos indígenas, e a ambientalista Claudelice Silva dos Santos destacou-se ao ser uma voz em prol do clima e da justiça ao o assassinato do seu irmão e da sua cunhada em ações de combate à desflorestação da floresta amazónica.

O vencedor será decidido pela Conferência de Presidentes do Parlamento Europeu – estrutura que junta o líder do PE e dos partidos políticos representados na assembleia europeia – e anunciado em 24 de outubro, realizando-se a cerimónia de entrega do galardão em 18 de dezembro, em Estrasburgo.

O prémio Sakharov do Parlamento Europeu premeia todos os anos indivíduos e organizações que se destacam na defesa dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, tendo sido atribuído em 1999 a Xanana Gusmão (Timor-Leste) e em 2001 ao bispo Zacarias Kamwenho (Angola).

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir