Mundo

Assad assume controlo de regiões no norte da Síria após apelo de milícias curdas

As Forças Armadas da Síria anunciaram hoje que entraram num setor da região norte do país, após um pedido de ajuda das milícias curdas face à ameaça de ofensiva por parte da Turquia.

As Forças Armadas da Síria disseram estar a responder a apelos de residentes na localidade de Manbij e prometeu segurança para todos os residentes na região.

As milícias curdas Unidades de Proteção Popular (YPG) pediram hoje ao presidente sírio Bashar al Assad ajuda para proteger o norte da Síria da anunciada ofensiva turca, na sequência da decisão de retirada das tropas norte-americanas do país.

O grupo informou que retirou as suas tropas da região de Manbij e que cede o seu controlo às forças governamentais.

“Convidamos as forças do Governo sírio, que estão obrigadas a proteger o país, a nação e as suas fronteiras, a tomarem o controlo das áreas de onde se retiraram as nossas forças, em particular de Manbij, e a proteger essas áreas contra uma invasão turca”, afirmou o grupo em comunicado.

As YPG asseguraram que, a partir de agora, se concentrarão na sua ofensiva contra o grupo extremista Estado Islâmico, próximo da fronteira com o Iraque.

Numa reação quase imediata ao anúncio, Moscovo congratulou-se com a entrada do exército sítio na zona ameaçada pela ofensiva turca.

O porta-voz do Kremlim, Dmitry Peskov, considerou este desenvolvimento como “um passo positivo” que pode “estabilizar a situação”.

“Evidentemente, isto vai no sentido de uma estabilização da situação. O alargamento da zona de controlo das forças governamentais (…) constitui sem qualquer dúvida uma tendência positiva”, disse Peskov à imprensa.

A entrada das forças governamentais em Manbij acontece um dia antes de Moscovo receber altos responsáveis turcos para discutir a crise na Síria, após o anúncio surpresa do presidente norte-americano, Donald Trump, de retirada dos cerca de 2.000 soldados que na Síria apoiavam as milícias curdas na ofensiva contra o Estado Islâmico.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou a 12 de dezembro que está a preparar uma ofensiva no norte da Síria contra as YPG, consideradas por Ancara uma extensão na Síria do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, proibido e que combate o Estado turco desde 1984).

Os curdos controlam quase todo o nordeste da Síria e Ancara receia que conquistem algum tipo de autonomia que venha a ter impacto nas reivindicações dos cerca de 15 milhões de turcos de etnia curda.

Manbij é uma localidade estratégica da província de Alepo, próximo da fronteira turca, e era controlada pelas YPG desde 2016, quando expulsaram o Estado Islâmico com a ajuda dos Estados Unidos e da coligação internacional.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir