TV

Árbitro usa o Facebook para justificar decisões controversas

Foi penálti? Se não foi, Mohammed Al-Hakim assume o erro. Este árbitro sueco criou uma página no Facebook para justificar as decisões que tomou no relvado e para “inspirar” os jovens a seguirem uma carreira no apito. “Acredito na abertura e no diálogo”, argumentou.

Não há jogador, treinador ou dirigente que nunca tenha criticado um árbitro. Mas o que têm a dizer os próprios árbitros sobre as exibições que fazem?

Pergunte a Mohammed Al-Hakim. Ou siga a página dele no Facebook.

Este árbitro de 30 anos, que recebeu no início deste ano as insígnias da FIFA, criou uma página para justificar as decisões que tomou e se tornaram polémicas.

“A minha ideia é criar interesse na nossa atividade”, explicou Al-Hakim, que criou a conta no Facebook a pensar nos mais jovens: “Acho que podem ganhar interesse pela arbitratem se entenderem melhor as nossas situações”.

“A página também servirá para inspirar mais gente a tornar-se árbitro, uma função importante no futebol. Quero mostrar o meu lado dessa função e equilibrar a nossa relação com a imprensa. Quero melhorar acesso da família futebolística”, complementou o árbitro sueco, numa entrevista ao Fotbollskanalen.

Mohammed Al-Hakim promete agir nas redes sociais com a mesma consciência com que atua dentro das quatro linhas.

“Acredito na abertura e no diálogo”, adiantou o mesmo árbitro que assumiu publicamente um erro no recente encontro entre o IFK Norrkoping e AIK, no qual deixou passar uma grande penalidade em claro, apesar dos protestos dos adeptos.

Num dos posts, o árbitro que é apontado como uma das maiores promessas da Suécia manifestou a vontade de melhorar: “Vejo várias repetições e procuro conferir os lances em várias imagens de vários ângulos. Ainda estou a aprender e eu mesmo tenho de entender as decisões que tomei. Nunca serei perfeito, mas é importante minimizar os erros e certificar-me que sou correto nos lances cruciais”.

“Tenho tido muito feedback positivo”, revelou: “Claro que há opiniões negativas, mas a maioria têm sido bastante positivas. O projeto é apenas um teste e o conselho de arbitragem [da Suécia] está envolvido, os responsáveis concordaram com esta iniciativa”.

Veja, a título de exemplo, esta bárbara agressão que o mesmo Mohammed Al-Hakim teve de ajuizar no recente jogo entre IFK Norrkoping e AIK:

Em destaque

Subir