Motores

Álvaro Parente conclui prova difícil em Laguna Seca

Álvaro Parente não teve vida fácil nas 8 Horas da Califórnia, derradeira prova do Intercontinental GT Challenge, que se disputou domingo no Circuito de Laguna Seca.

O piloto português, que dividiu o Bentley Continental GT3 # 9 da K-PAX Racing com Bryan Sellers e Rodrigo Baptista, terminou a prova na 11ª posição, a mesma em que partiu para esta corrida.

Parente esperava uma prova difícil, uma vez que o traçado de Laguna Seca não é o mais favorável para as características do Bentley, para além de exigir bastante dos pneus. A estratégia da equipa foi a melhor possível, mas faltou o desempenho face às máquinas dos adversários para poder conseguir um resultado melhor.

“Apesar de termos grandes estrategas e de terem tomado todas as decisões correctas – ganhámos algumas posições na primeira paragem – não há milagres nas corridas. Infelizmente, não estávamos rápidos este fim-de-semana. Faltava-nos performance”, afirmou Álvaro Parente.

O piloto do Porto mostra-se desiludido com o desfecho, ainda que compreenda as limitações com que se debateu: “Por vezes, todos nós temos corridas destas, o que é muito desapontante, dado que demos o nosso máximo e lutámos ao longo de toda a prova. Queríamos terminar a temporada com uma boa corrida, mas quando não é possível, não é possível. É difícil absorver uma corrida destas, mas amanhã será um dia melhor e, pelo menos, sabemos que demos o nosso melhor”.

A prova foi fanha por Kelvin Van der Linde, Christopher Mies e Christopher Miess, aos comandos de um Audi R8 LMS GT3 da equipa Land Motorsport, que tinham largado da ‘pole position’, com Robin Frijns, Dries Vanthoor e Markus Winkelhock, também num Audi R8, mas do Team WRT, a serem segundos, tendo Maro Engel, Max Buhk e Tristan Vautier, num Mercedes AMG GT3 do Team Sun Energy a terminarem no último lugar do pódio. Vautier chamou a si o título de pilotos no Intercontinental GT Challenge.

Mais partilhadas da semana

Subir