Fórmula 1

A Alfa Romeo acredita que pode ‘apanhar’ a McLaren na segunda metade da época de F1

Segundo o seu diretor a equipa Alfa Romeo de Fórmula 1 poderá alcançar a McLaren na segunda metade da temporada.

Depois de não ter conseguido pontuar nos grandes prémios de Espanha Mónaco e Canadá, Kimi Raikkonen terminou no top dez nas últimas cinco corridas.

Na Alemanha o finlandês foi ‘atirado’ para fora dos pontos, juntamente com o seu companheiro de equipa, Antonio Giovanizzi, devido a uma infração relacionada com a embraiagem. Um castigo do qual a equipa suíça recorreu.

Fréderic Vasseur acredita que mesmo sem recuperar os pontos perdidos em Hockenheim – caso que será julgado pela Federação Internacional do Automóvel em Paris a 24 de setembro – a equipa pode ‘trepar’ na atual hierarquia da F1, onde ocupa atualmente a sétima posição no campeonato de construtores.

“A consistência é importante no meio do pelotão. Penso que a McLaren tem estado sempre lá, mas espero que possamos lutar com ela na segunda parte da época. Temos de ser consistente. Temos de conseguir que os dois carros terminem nos pontos em cada fim de semana de corrida”, afirma o francês.

Vasseur explica porque acredita que os seus objetivos podem ser alcançados: “Penso que podemos ser otimistas. Se compararmos o que aconteceu em Barcelona estamos muito longe e melhoramos consistentemente desde essa fase da temporada. Estamos a dar tudo para trazermos atualizações. Temos de manter o mesmo padrão para a última parte da época”.

Na última corrida antes da pausa de verão, na Hungria, Raikkonen terminou em sétimo logo atrás do McLaren de Carlos Sainz Jr na batalha pelo título de melhor dos ‘outros’ atrás das três equipas de topo. Isto para além do finlandês ter conseguido manter atrás de si o seu compatriota Valtteri Bottas, num muito superior Mercedes.

“Não estava muito otimista antes de Budapeste, porque acho que a pista não tem o melhor perfil para nós, mas Kimi fez um trabalho soberbo na corrida. O ritmo estava lá desde o começo. A chave para nós foi fazermos uma boa partida e estar à frente de (Romain) Grosjean. Sabia que o andamento de corrida seria difícil de aguentar pelos Haas e foi importante para nós estarmos à frente dele”, salienta o ‘patrão’ da equipa Alfa Romeo.

A Ferrari possui um motor idêntico ao da equipa de Hinwill, e costuma ser bastante rápida nas pistas que recebem as duas próximas provas do campeonato – Spa e Monza – mas Vasseur não espera que esses traçados favoreçam os seus monolugares: “É também uma questão de ‘pacote’ aerodinâmico. Penso que regressaremos fortes em Singapura, em pistas ‘normais’”.

Mais partilhadas da semana

Subir