Cultura

Akira Yoshizawa recordado com google doodle a 14 de março

akira_yoshizawaAkira Yoshizawa é hoje recordado com um google doodle, que assinala o 101.º aniversário do mestre do origâmi. Nasceu a 14 de março de 1911 e morreu em 2005, no dia do seu aniversário. Akira Yoshizawa destacou-se na arte de dobrar papel e tem uma história de vida notável.

Akira Yoshizawa é hoje lembrado com um doodle: a palavra ‘google’ formada com papéis dobrados, o que representa a arte em que este japonês se destacou: a criação de figuras através da dobragem de papéis.

Nascido em 14 de março, no Japão, Akira Yoshizawa tornou-se mestre do origâmi, técnica de origem japonesa de dobrar papel, para lhe dar forma de animais, flores ou outros objetos. Esta paixão surgiu na sua infância, que desenvolveu ao longo de anos.

Yoshizawa começou a trabalhar com 13 anos de idade, mas ocupava os seus tempos livres a dobrar papéis, dando-lhe formas, com uma originalidade única. Sete anos depois de começar a trabalhar, Akira Yoshizawa foi promovido e passou a dar formação de geometria (outra das suas grandes paixões) a outros funcionários.

A geometria foi ensinada com recurso a origâmis, forma exemplar de materializar problemas geométricos. Com 26 anos, em 1937, Akira Yoshizawa, hoje lembrado pela google com um doodle, abandonou a fábrica onde laborava para se dedicar a tempo inteiro à sua paixão. Começou a criar origâmis a tempo inteiro.

A pobreza extrema que enfrentava levou-o vender um condimento japonês (tsukudani) porta a porta. Continuou o processo de criação de origâmis, até que ganha alguma visibilidade, em 1944, com a publicação de trabalhos seus numa revista chamada ‘Origami Shuko’, de Isao Honda.

Há duas versões sobre o grande reconhecimento de Akira Yoshizawa: uma teoria defende que reside na publicação de criações numa revista, em 1951. Outra aponta que pôde finalmente dedicar-se de forma profissional à sua arte quando criou os signos do zodíaco, em 1954.

A primeira monografia de Akira Yoshizawa tem precisamente esta data. Nesse trabalho, Akira cria um método de dobragem de papel que se torna reconhecido como o melhor, por parte dos criadores de origâmis. E a capacidade de estabelecer padrões permitiu a Yoshizawa ganhar notoriedade e sair da pobreza.

O fundador do Centro Internacional de Origâmi, em Tóquio, acompanhou de perto o trabalho de Akira Yoshizawa. Um ano depois, em 1955, consegue a sua primeira exposição internacional, organizada por um arquiteto holandês colecionador de arte. Os trabalhos de Akira serviram de modelo para exposições em todo o mundo.

Akira Yoshizawa recusou-se sempre a vender os seus origâmis, preferindo usá-los como presentes para amigos, ou instituições que muitas vezes os requisitavam para exposições.

Estima-se que Akira tenha criado, ao longo da sua vida, mais de 50 mil modelos de origamis, sendo que algumas centenas foram publicados em 18 livros. Yoshizawa foi embaixador cultural do Japão e recebeu, em 1983, das mãos do imperador Hirohito, uma das maiores distinções entregue a um japonês: a Ordem do Sol Nascente…

Yoshizawa recebe hoje uma homenagem na Google, com um doodle, sete anos após a sua morte, que ocorreu a 14 de março, dia em que comemorava o 94.º aniversário.

Em destaque

Subir