Mundo

Adolescente mata a tiro assaltante para proteger filho de três meses

sarah_eua_filho_1Jovem de apenas 18 anos ligou para a linha de emergência depois de fugir para o quarto com o filho. Assaltantes conseguiram arrombar a porta e um deles foi abatido a tiro.

Sarah McKinley, com apenas 18 anos, teve uma época natalícia para nunca mais esquecer. Na semana do natal, perdeu o seu marido, vítima de cancro. Na noite de passagem de ano, a jovem estava em casa com o seu filho de três meses quando a residência foi invadida por dois homens.

Com duas armas, Sarah conseguiu fugir a tempo para um dos quartos da casa e com um sofá fez uma barreira na porta. Do lado de fora, os assaltantes tentavam a todo o custo entrar.

Durante mais de 20 minutos, a jovem manteve contacto telefónico com o 911, o número de emergência norte-americano idêntico ao 112 português. O assistente do outro lado da linha procurava acalmar Sarah que afirmava estar preparada para abater quem quer que fosse para proteger a criança. O mesmo conselho foi inclusive dado pelo assistente: “Faça o que for preciso para proteger o seu filho”, disse.

Não demorou muito para que os assaltantes conseguissem entrar no quarto. Um deles foi abatido por Sarah na hora, outro conseguiu fugir e entregou-se às autoridades que chegaram entretanto.

O caso ganha novos contornos quando já é conhecida a decisão sobre o caso. Sarah McKinley agiu em legitima defesa de si e do seu filho. Desta forma, não foi condenada por qualquer crime. Um exemplo de justiça, é o que defendem grande parte dos portugueses que seguem esta semana o caso nas redes sociais. A jovem, viúva desde há duas semanas, é já considerada uma heroína um pouco por todos os Estados Unidos.

Em destaque

Subir