Motores

A “magia do Tesla é ser muito imediato” confessa Ricardo Gomes

Ricardo Gomes fez história ao estrear o primeiro carro elétrico em competição em Portugal competindo na Rampa de Murça.

Tratou-se de uma estreia mundial de um carro GT elétrico em provas automóveis e, é claro, no Campeonato de Portugal de Montanha JC Group.

Foto: JMDR

Numa entrevista para a Golo FM e V Motores, conduzida pelo nosso colega Joaquim Amândio Santos, retiramos algumas declarações de Ricardo Gomes que explicam melhor este projeto único no panorama do automobilismo nacional.

“É um projeto que vim acompanhado desde 2018, esta equipa e este carro, ainda em fase de desenvolvimento, os primeiros passos que estava a dar no Circuito de Ascari, em Espanha. Por intermédio de um piloto amigo, o Álvaro Fontes, partilhávamos muita informação. Era ele que também estava responsável pelo desenvolvimento deste carro”, conta Ricardo Gomes

O piloto minhoto foi depois conhecer o carro em Espanha: “Confesso que fiquei apaixonado pelo projeto muito cedo. Antes de mais porque era um projeto completamente inovador. Que tinha na base a criação de um campeonato monomarca de carros elétricos. O E GT foi inicialmente concebido para acompanhar os circuitos de Fórmula E. Várias coisas não permitiram que tal acontecesse e várias equipas ficaram com o carro como exemplar único”.

Foto: Zoom Motorsport

“Foi um carro que em circuitos sempre se mostrou muito rápido. A título de exemplo o Tesla E GT tem em Ascari um tempo de um protótipo SR3, apesar diferença de pesos. E acabei por me envolver neste projeto ‘à luz’ dos contactos que tinha. A equipa acaba por me convidar para desenvolver um pouco mais o carro eles”, explica Ricardo Gomes.

O piloto de Braga adianta mesmo que a estreia do Tesla no nosso país esteve para acontecer já em 2019: “Já tentamos colocar este carro a competir em Portugal há um ano atrás. À época não foi possível. Não havia maturidade suficiente para que isso acontecesse. Continuei a trabalhar neste projeto até que houve essa disponibilidade de todas as partes, desde patrocinadores, até à própria equipa, para podermos alinhar este ano no Campeonato de Portugal de Montanha”.

“Daí em diante foi um conjunto de passos que tivemos de dar em conjunto. E quero agradecer em particular à Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting e ao seu presidente, que tiveram uma visão muito clara, e visionária, pois é a primeira vez que isto acontece a nível europeu e mundial”, concede Ricardo Gomes.

Foto: JMDR

O piloto minhoto também admite que “foi necessária toda uma readaptação, feita em tempo recorde, por parte das entidades, federação e organizadores, de enquadramento da viatura nos regulamentos do Campeonato de Portugal de Montanha. De ser dado um passo no sentido da criação de uma categoria para carros sem motores de combustão”.

A inovação será o aspeto que mais distingue o Tesla E GT relativamente a todos os carros que se encontram a competir nas rampas em Portugal. “Este é um carro que tem um binário altíssimo. É essa a grande magia deste deste carro. É muito imediato, não tem caixa de velocidades. A analogia melhor que podemos encontrar talvez seja a de um interrutor de luz. Por isso é muito rápido. Com um motor de 778 cv, que distribui esta potência às quatro rodas. Mas é contudo um carro com 1800 kg de peso. O que é muitíssimo para competição”, elucida Ricardo Gomes.

Só a relação peso/potência não permite que o Tesla lute pelas vitórias absolutas na Montanha: “Para termos uma perceção, só as baterias pesam 1000 kg aproximadamente. Por isso é um carro que ainda carece de trabalho e de desenvolvimento. Como está já é extraordinário, apesar disso ainda não poder ser demonstrado na Rampa de Murça, pois tivemos um conjunto de problemas. Mas é um ponto de partida para chegarmos a um ponto em que possa lutar pelo topo da tabela classificativa”.

0Shares

Em destaque

Subir