Motores

A Citroën não teve o fim de semana que esperava na Alemanha

A sexta posição de Esapekka Lappi e, sobretudo, o oitavo lugar de Sebastien Ogier, não foi o tipo de resultado que a equipa Citroën ambicionava no Rali da Alemanha.

No final da prova germânica do Campeonato do Mundo de Ralis a deceção era o sentimento dominante nas hostes da formação francesa, com o Campeão do Mundo a ser porventura o mais desiludido com o desempenho nas encostas sobranceiras ao rio Mosela.

“Obviamente que não foi o fim de semana que esperávamos, mas sei que dei o meu máximo. Andámos a fundo a maior parte do tempo, mas não foi o suficiente. Os tempos não apareceram e também é certo que os furos não ajudaram”, admitiu Ogier após o rali.

A ambição do piloto de Gap era manter-se na discussão pelo título e isso agora ficou mais difícil, como o próprio considerou: “Estávamos a contar, aqui na Alemanha, manter os nossos bons resultados desta época, mas, infelizmente, a nossa situação no campeonato não melhorou. Pela minha parte, vou continuar a lutar, como sempre faço”.

No seio da estrutura da equipa Citroën o seu líder é um dos mais desiludidos, mais também ficou a noção de que é necessário mais trabalho para tornar os C3 WRC mais eficazes num tipo de terreno onde deveria ter estado mais à vontade.

“Pensávamos ter entendido as razões para o nosso desempenho inferior na Córsega e que tínhamos feito as alterações necessárias para esta prova em asfalto. Esperávamos, este fim de semana, estar entre os líderes, mas a verdade é que isso não aconteceu. Este fim de semana, estivemos mais perto dos líderes do que na Córsega, mas ainda longe demais para ser satisfatório”, admitiu Pierre Budar.

O líder da Citroën Racing concede assim que a sua equipa falhou “em qualquer coisa durante a preparação” da prova, lembrando também que “o único dia completo de testes do Sébastien foi interrompido pela chuva, algo que, afinal, não tivemos durante o rali”.

E é claro que Budar também não esqueceu “o azar com os dois furos de Sébastien (Ogier) na base militar de Baumholder, numa altura em que eles estavam ainda a disputar um lugar no pódio”.

Budar concede que no campeonato a equipa ficou agora “numa situação mais difícil”, no entanto, e ‘pegando’ num famoso chavão diz “enquanto houver esperança” a Citroën “não vai desistir”, recordando que ainda há “quatro ralis para disputar, incluindo alguns dos eventos mais difíceis do campeonato, por isso muita coisa pode ainda acontecer”.

Mais partilhadas da semana

Subir