Hoje é dia

17 de junho, incêndio de Pedrógão Grande deixa Portugal de luto

A 17 de junho de 2017, deflagrou em Pedrógão Grande o maior incêndio e o mais mortal de sempre em Portugal. A tragédia provocou 66 mortos e 253 feridos. Só na Estrada Nacional 236-1 as chamas vitimaram 47 pessoas.

O fogo de Pedrógão alastrou-se aos concelhos vizinhos de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Ansião, Sertã e Pampilhosa da Serra, juntando-se ao incêndio de Góis, também de grandes proporções e que se alastrou a Pampilhosa da Serra e a Arganil, no dia 20.

Tal como o de Pedrógão Grande, o incêndio de Góis deflagrou a 17 de junho.

As chamas encurralaram várias viaturas na EN 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Passou a ser conhecida como “a estrada da morte”, em evocação das 47 vidas ‘roubadas’ pelo fogo.

Trinta pessoas foram queimadas dentro das viaturas, com as restantes 17 a serem apanhadas enquanto tentavam fugir a pé.

Cerca de 53 mil hectares de território, 20 mil hectares dos quais de floresta, sobretudo dos municípios de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra, Sertã, Alvaiázere, Ansião, Arganil e Oleiros foram destruídos pelas chamas.

No inferno de Pedrógão, foram destruídas total ou parcialmente cerca de meio milhar de casas, 261 das quais habitações permanentes, cerca de 200 de segunda habitação e mais de uma centena devolutas.

Os prejuízos diretos do incêndio foram avaliados em 193,5 milhões de euros.

A 17 de junho de 1631, morre a princesa persa muçulmana Mumtaz Mahal, durante o parto do 14.º filho. O marido, Shah Jahan, líder do Império Mogol, ergueu em memória da mulher o Taj Mahal, uma das maravilhas do mundo, Património da Humanidade e a maior prova de amor conhecida.

O Taj Mahal é um mausoléu situado em Agra, na Índia, e um dos mais conhecidos monumentos do mundo. Ao longo de 20 anos, entre 1630 e 1652, a obra foi crescendo, da abstração do amor para um dos monumentos eternos mundiais.

Cerca de 20 mil homens foram recrutados de diversas cidades do oriente (bem como os melhores construtores e artistas da região e da Europa) para edificar o monumento, de mármore branco, que representa a maior prova de amor do mundo. Mumtaz Mahal – nome que significa “a joia do palácio” – jaz sob o Taj Mahal.

Narra a lenda que, após a conclusão do mausoléu, e rendido à beleza do monumento, o imperador Shah Jahan determinou que fossem cortadas as mãos de todos os homens que participaram na obra. O objetivo era que jamais voltassem a criar algo com beleza semelhante.

Nasceram a 17 de junho Eduardo I de Inglaterra (1239), John Wesley, clérigo anglicano e teólogo cristão britânico (1703), Igor Stravinski, compositor russo (1882), António Fragoso, compositor português (1897), Peter Giles, baixista e vocalista britânico (1944) e Paul Tergat, maratonista queniano (1969).

Morreram neste dia Eugen Weidmann, último executado publicamente por guilhotina na França (1939), Jeff Chandler, ator norte-americano (1961), Masaharu Taniguchi, líder religioso japonês (1985), Thomas Kuhn, filósofo norte-americano (1996) e José Calvário, maestro, compositor e produtor português (2009).

Hoje, assinala-se o Dia Mundial do Combate à Desertificação, implementado pela ONU.

Mais partilhadas da semana

Subir