Política

Amado quis ceder Lajes para transporte de reclusos de Guantánamo, revela Wikileaks

Segundo releva um telegrama confidencial de 2006, publicado pelo Wikileaks, o então ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, prometeu ao embaixador dos EUA pressionar José Sócrates a ceder a Base das Lajes, para que os norte-americanos pudessem transportar reclusos de Guantánamo.

O telegrama classificado como secreto tem data de 8 de setembro de 2006 (hoje completam-se cinco anos) e relata uma promessa do então ministro, feita ao embaixador Alfred Hoffman, de que José Sócrates seria pressionado a ceder a base.

O chefe de Governo português foi considerado como “difícil de convencer” nesta matéria, por parte de Luís Amado, que, no entanto, prometeu interceder, desde que houvesse “total transparência”.

A Base das Lajes seria utilizada para que se pudesse fazer escala no repatriamento de presos de Guantánamo. Amado encontrou-se com Hoffman e discutiu este assunto, que preocupava os EUA e, em particular, o então Presidente George W. Bush.

Pode ler-se no telegrama que Hoffman “perguntou ao ministro se o governo dos Estados Unidos da América poderia usar as Lajes como escala para voos de transporte de detidos, para os países de origem”.

Luís Amado revelou que “teria de informar o primeiro-ministro”, mas que “seria difícil convencer José Sócrates”. No entanto, o então ministro prometeu “pressionar para garantir a cooperação portuguesa”.

O titular da pasta dos Negócios Estrangeiros salientou, contudo, que o processo teria de ser “conduzido de forma correta”, sob pena de se registarem “consequências tremendamente negativas”.

Mais partilhadas da semana

Subir