Benfica

Vieira e o caso dos emails: “Não há nem nunca haverá corrupção no Benfica”

Foi preciso chegar à terceira parte da entrevista a Luís Filipe Vieira para o presidente do Benfica abordar o caso dos emails. “O FC Porto conseguiu condicionar tudo e todos”, acusou o dirigente encarnado.

“Com toda a frontalidade”, Luís Filipe Vieira insistiu numa única ideia: “Não há nem nunca haverá corrupção no Benfica. Que isto, para os benfiquistas, fique muito claro. Que há é que há seis meses foi cometido um crime, que todas as semanas continua a acontecer. Não estávamos minimamente preparados para este crime organizado”.

“Não ligo a nenhum email, não estou preocupado com nenhum email, mas do que me tem vindo aos ouvidos… Nestes quatro anos fomos sempre surpreendidos, primeiro por Vítor Pereira, que esteve oito anos na arbitragem, que era uma pessoa sensacional quando o FC Porto ganhou campeonatos”, continuou.

De rajada, o presidente do Benfica manteve o ataque: “O FC Porto tem andado um bocado desesperado (…) e alguém aquilo a que eu chamo um crime, tentou enxovalhar a instituição Benfica. Tentou criar medo. (…) O FC Porto conseguiu condicionar tudo e todos”.

“Não vou esconder que estiveram no Sport Lisboa e Benfica, que foram a minha casa”, prosseguiu Vieira: “Não há nada a condicionar quem quer que seja, ou a prometer o que quer que seja. Foram a minha casa e eu não estava lá, estava no treino”.

“Estes senhores que tentaram enxovalhar uma marca, que é se calhar a mais prestigiante do País… A única coisa que peço à justiça é que seja célere, não podemos ficar em banho-maria. Estes senhores, mais cedo ou mais tarde, têm que pagar a fatura. Nós ganhámos com muito trabalho”, garantiu Luís Filipe Vieira.

De passagem, uma referência ao árbitro que renunciou ao Tribunal Arbitral do Desporto, depois de revelado que pediu bilhetes para a Luz: “Há alguém que não ofereça bilhetes? Há alguém que possa dizer o contrário? Não está lá [nos emails] viagens para o Brasil, ou café com leite… Se houvesse alguma prova de certeza que tinham levado os documentos ao Ministério Público, não para fazer este clima de desgaste”.

“O Fábio Veríssimo, o João Pinheiro, o Manuel Mota não apitam o Benfica porquê? Está tudo condicionado. Porque é que o Conselho de Arbitragem não protege os árbitros? (…) Pôr o odioso em cima do Benfica é o mais fácil e por trás andam a condicionar tudo e todos”, insistiu.

“Se o vídeo-árbitro fosse infalível o Benfica podia não ser o primeiro, mas estava bem perto do primeiro”, repetiu o presidente encarnado.

“Nunca me encontrei com um árbitro, nunca fui malcriado com um árbitro, nunca estive num túnel a chamar filho da puta a um árbitro, nunca bati à porta do balneário dos árbitros… Investigue-se”, continuou Vieira, que recusou “ser claro” sobre quem se referia: “Vá investigar”.

“Isto tem que mudar, senão um dia há um desastre sério”, alertou o presidente do Benfica: “O único apelo que fazia era à nossa justiça, que seja célere, porque não podemos ter o nome manchado”.

Numa rara pausa no ataque ao FC Porto, Vieira reservou uma bicada ao Sporting: “Sempre que se juntam há um que perde. Já perdeu. É histórico”.

“Investigue-se quem, é que nestes anos todos, reclamou mais” as notas dos árbitros, desafiou o dirigente encarnado: “Até nos júniores. (…) Uns reclamavam e falavam, se forem a investigar quantas reclamações foram feitas vão descobrir que o Benfica não está à frente nesse campeonato. Até controlavam as notas!”

Luís Filipe Vieira garantiu total confiança em Paulo Gonçalves, “um grande profissional”, que também foi alvo de buscas pelas autoridades, e brincou com Pedro Guerra, “que tem a mania que é investigador e não percebe nada disto”.

Questionado sobre “os erros da arbitragem”, o presidente do Benfica defendeu que “os árbitros devem ser protegidos”, recuperando a tese de que estão “condicionados”, antes de os responsabilizar: “Eles é que têm de ”.


Patrocinado

Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir
error: