Nas Notícias

Vídeo: Passos diz que eucalipto “é o que menos arde” e contraria especialistas

Passos Coelho voltou a tecer considerações polémicas, ao defender as explorações de eucalipto, a árvore que “menos arde” e cujo fogo se apaga com “mais facilidade”. Uma posição que contraria os estudos de investigadores da UTAD, que apontam o eucalipto como um dos principais motivos para os habituais incêndios de verão.

Durante uma iniciativa da Associação para a promoção da Gastronomia e Vinhos, Produtos Regionais e Biodiversidade em Gaia, o presidente do PSD e ex-primeiro-ministro fez a defesa dos eucaliptais.

“Agora há uma discussão muito grande sobre o eucalipto, querem-nos fazer acreditar que o problema dos incêndios é problema dos eucaliptos e eu, que até não sou particularmente defensor do eucalipto, acho que não faz sentido estar a demonizar o eucalipto porque nós sabemos que uma grande parte do território não tem eucalipto e que o eucalipto é o que menos arde”, afirmou Passos Coelho.

“O problema não é do eucalipto”, insistiu o dirigente laranja, mas sim da “geringonça” que inclui o PEV, numa referência ao primeiro-ministro: “Ele tem um acordo com o Partido Ecologista ‘Os Verdes’, portanto, não pode ter eucaliptos porque o PEV é contra os eucaliptos e não há geringonça sem PEV, logo acabaram os eucaliptos, é simples, é disto que se trata”.

Passos Coelho afirmou ainda que o fogo no eucalipto é o que se apaga com “mais facilidade” e defendeu os cerca de 400 mil proprietários que exploram os eucaliptais.

“Nós temos é de fazer um investimento em floresta que remunere a gestão do território, se não remunerar não funciona. O eucalipto remunera, o pinheiro remunera e o carvalho não remunera, logo eu posso gostar de carvalhos, mas se investir em carvalhos vou perder dinheiro”, disse.

A opinião do presidente do PSD e ex-primeiro-ministro é controversa e totalmente contrária à de diversos investigadores.

Especialistas da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) apontaram os eucaliptos e os pinheiros como os principais fatores para a dimensão que atingiu o incêndio de Pedrógão Grande.

São espécies que ardem muito facilmente, ao contrário de “árvores-bombeiras” como carvalhos, castanheiros e vidoeiros, que são “folhosas e mantêm o ambiente relativamente húmido”, argumentam.

Veja o vídeo:


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: