Desporto

Vídeo: “Par de estalos e cinto espetado na cabeça de jogador é terrorismo?”, questiona advogada

A advogada de Fernando Mendes, antigo líder da Juventude Leonina, que está em prisão preventiva na sequência do ataque a Alcochete, mostrou-se surpreendida pelo seu cliente ser acusado de “terrorismo”, uma vez que se trata da primeira vez que encara um julgamento onde um “par de estalos e um cinto espetado na cabeça de jogador” é encarado judicialmente como “terrorismo”. Veja as declarações em vídeo.

À saída do Tribunal do Barreiro, onde os suspeitos têm sido ouvidos, a advogada de Fernando Mendes mostrou-se indignada perante os jornalistas com a tipificação dos crimes pelos quais irá responder o antigo líder da Juventude Leonina.

A advogada chega mesmo ao ponto de referir que foram uns “estalos e uns golpes de cinto”.

“Eu sou advogada, vou morrer a recorrer”, começou por explicar, dizendo depois que ia citar por ser um “princípio de igualdade”.

“Nunca vi na minha vida um par de estalos e um cinto tirado da cintura e espetado na cabeça de um jogador de futebol, que ganha muito mais que eu e que a senhora, ser considerado um crime de terrorismo? Não.”

E prosseguiu, falando sobre a rede social, alegadamente usada para combinar o ataque a Alcochete.

“Se eu considero que o WhatsApp é uma forma de 20 ou 30 miúdos combinarem um ataque terrorista? Eu lembro-me que devem ser da Al-Qaeda, só pode”.

A advogada de Fernando Mendes disse ainda aos jornalistas para “seguirem o dinheiro”.

Fernando Mendes e os restantes arguidos ficaram em prisão preventiva.

Esta foi a mesma medida de coação que já tinha sido aplicada aos primeiros 23 arguidos que tinham sido detidos.

Veja o vídeo

Mais partilhadas da semana

Subir