Motores

Mais um dia de paragem no deserto para Nuno Matos

Nuno Matos e Nuno Rodrigues da Silva conhecerem mais um dia complicado no Morocco Desert Challenge. A etapa nem era particularmente difícil e tudo estava a correr bem quando a menos de uma centena de quilómetros do final dos 271,5 que ligavam Oum Jrane a Merzouga, uma arreliadora avaria no alternador ditou a paragem do Opel Mokka Proto.

A dupla portuguesa já tinha atravessado uma planície de areia perto de Marabout, o desfiladeiro MHarech, as dunas de Ouzina e tinha ainda para cumprir alguns percursos de areia e trilhos de pedra perto de Merzouga e uma primeira travessia do Erg Chebbi quando se deu o percaço.

“Como em todo lado há gente boa e gente má. Tenho sido extremamente bem tratado em Marrocos, mas hoje tive o revés da moeda, quando uma das pessoas que vinha com a nossa assistência a levou para outro local bem diferente de onde os esperávamos e foram mais de seis horas de espera que inviabilizaram que pudéssemos prosseguir em corrida, como era o nosso objetivo”, explicou Nuno Matos.

“São situações desagradáveis, mas juntas com tantas outras fazem parte da aprendizagem. C’est l’Afrique como por aqui se costuma dizer”, explicou Nuno Matos ainda a caminho de Merzouga, onde juntamente com a sua equipa vão tentar perceber a razão para o problema no alternador e preparar da melhor maneira possível a etapa seguinte, considerada uma das mais duras do rali”, referiu ainda o piloto de Portalegre.

Esta sexta-feira disputa-se a quinta especial, que terá lugar em Merzouga. Areia e dunas são as palavras-chave deste dia em que os concorrentes terão de cumprir a travessia de quatro faixas de dunas ao longo de 230 km’s. Do percurso faz parte a travessia do Erg Chebbi e do Erg Ouzina.

 


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir