Bisturi

Um ciclo vicioso pouco Popular!

Autor: Bernardo Frazão Sardinha

A dissolução do Banco Popular é em grande medida um resultado da legislação europeia que regula o sector bancário. Ainda assim Basel III não responde em exclusividade pelo regime de privilegiados que o BCE está a criar. A partir de Frankfurt está a ser desenhado uma nova paisagem que ameaça a concorrência, a confiança e a independência de accionistas, grupos financeiros e governos.”

A sabedoria popular relembra o adágio, “de Espanha nem bom vento, nem bom casamento”, hoje desapareceu o Grupo Banco Popular Espanol SA, um banco fundado em 1926 e que estava sobretudo presente em Portugal e Espanha. Ainda assim 91 anos de presença no mercado não foram suficientes para suster a pressão regulatória que cercou o BPE. Evidente que ouve erros de gestão e que o banco carecia de capital: para manter os rácios de solvibilidade o Popular precisava de 4 mil milhões de euros.

Por questões que me ultrapassam, o supervisor decidiu em favor de uma resolução ao estilo Banif, rejeitando outras ofertas do BBVA, Bankia e Sabadell. O Santander comprou nesta madrugada um dos maiores bancos espanhóis por 1 euro, realizando para absorver o seu balanço, um aumento de capital que ascende a 7 mil milhões de euros. De começo observo imediatamente que a solução encontrada para o Santander é quase 100% mais dispendiosa que a solução que manteria o Popular independente.

Isto é um ciclo que se tem repetido, bancos que ainda que não estejam em pleno, são liquidados, ou “resolvidos” no quadro regulatório definido por Basel III. A pretexto de uma norma internacional que muito pouca gente consegue compreender na integra, tem se transferido o capital de entidades solventes a preço zero. Curiosamente quem beneficia desta legislação é sempre os grandes grupos económicos: Santander, BNP Paribas, HSBC, e Deutsche Bank. Esta “aquisição relâmpago” não difere em substância do que o Grupo Santander aplicou em Portugal com o Banif, porém no Banif o Santander ainda conseguiu ser indemnizado pelo árduo e estóico esforço.

E assim em dois golpes da secretaria do BCE em Frankfurt, o Santander assume ainda que de forma amiúde a liderança da banca privada em Portugal. Sem que regulador ou supervisor tenha se pronunciado sobre a consecutiva concentração de quota de mercado.

A consolidação do sector bancário europeu, não passa de uma expropriação de activos aos pequenos accionistas para entregar invariavelmente a uma quadrilha de grandes bancos estrangeiros. Hoje é do objectivo da entidade de supervisão, EBA, ECB e SSM, a liquidação e absorção de todos os bancos de pequena ou média dimensão.

Não percebem contudo que:

– Ponto 1: os bancos vão à falência por falta de liquidez, não de capital.

– Ponto 2: que distorcem o normal funcionamento do mercado livre e concorrencial, criando por processos inorgânicos grupos financeiros que não teriam de outra forma capital, estrutura e a colaboração para existirem dessa maneira.

– Ponto 3: a concentração consecutiva dos agentes bancários, aumentará o risco sistémico e o risco de contágio, uma vez que todo o sistema económico fica dependente de 3 ou 4 entidades, já de si relacionadas e entre si dependentes.

Por outras palavras, a UE está a criar um problema que mais tarde ou mais cedo nos vai engolir. Temos um sistema com capital em excesso e sem retorno, inumeros bancos em liquidação, destruição massificada da concorrência – criando um perigo à economia europeia, pela dimensão da concentração.

Basel III estancará em grande medida a concessão de crédito à economia, isto porque obriga os bancos a guardarem mais capital por cada aumento no crédito concedido, implica que entraremos num estado de acumulação sem aplicação. Deixando o capital alheio de circular às velocidades adequadas a cada economia, teremos países que sofrerão um impacto macroeconómico adverso – a estagnação, seguida da recessão. Portugal, com a sua dependência do crédito não será excepção, seguido da Itália, Grécia, França, Bélgica, Malta e Chipre.

Mais desenvolveu-se um sistema que promove a infracção, os bancos para evitarem a liquidação, a resolução, a aquisição ou aumentos de capital, tem que muitas vezes adulterar a sua contabilidade, no caso de Basel III, basta alterar os parâmetros de Loss Given Default (LGD) e Probability of Default (PD) que os Risk Weighted Assets (RWA) na sua composição, densidade e volume se alteram – reduzindo contabilisticamente as necessidades de capital. Isto é ilegal, mas é impossível para o supervisor conseguir inferir que todos estes parâmetros estão adequados para cada empréstimo, tendo em conta o risco de cada cliente e da economia em que se insere.

Assim, vamos observar bancos que sem motivo aparente, apresentarão contas muito melhores que os seus pares, e que quando todos estiverem em dificuldades continuaram a crescer.

Observou-se este fenómeno em Portugal, com o Banco Espírito Santo, na Holanda com o ABN Amro, na Bélgica com o Fortis Bank e o Dexia. No presente vemos o Santander, um banco que cresce sem limites e que nunca apresenta resultados decepcionantes – ainda que tenha uma exposição na América Latina que o certamente faria tremer, tal como sucedeu no HSBC ou no BBVA. Além disto o Santander não me aparenta que seja um banco transparente, as suas operações na América Latina deveriam estar a gerar perdas significativas, como consequência das desvalorizações cambiais, das recessões e inflações verificadas nesses países.

Tendo ainda para mais em comparação a performance do BBVA na mesma geografia, e verificar que também o HSBC irá vender todos os seus negócios nesse continente presentes, parece suspeito a capacidade de crescimento levada a cabo pelo Santander, em Mercados onde os retornos e as margens estão esmagados para além dos patamares competitivos.

Entenda-se que escrevo contra uma medida, que tem e terá cada vez mais impactos na economia, nunca faliram tantos bancos, e o facto de estarem a criar uma situação de monopólio ou oligopólio causa-me perplexidade.

O caso do Banco Popular, pertence a partir de hoje aos livros de história, a minha preocupação reside nos efeitos macroeconómicos de Basel III e de como a legislação europeia tem vindo a ser distorcida para favorecer potencialmente uma dúzia de instituições.


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir