Motores

Uma temporada intensa e muito positiva para Fábio Mota

MOTA Fabio (prt) Seat Leon 2000 team Lema racing ambiance portrait during the 2016 ETCC European Touring Car Championship & GT Tour race at Imola, Italy from october 1 To 2 - Photo Jean Michel Le Meur / DPPI

MOTA Fabio (prt) Seat Leon 2000 team Lema racing ambiance portrait during the 2016 ETCC European Touring Car Championship & GT Tour race at Imola, Italy from october 1 To 2 – Photo Jean Michel Le Meur / DPPI

Fábio Mota faz um balanço muito positivo da sua temporada, que marcou decididamente a internacionalização da sua carreira, já que se estreou na Taça Europeia FIA de carros de turismo (ETCC). Isto apesar nos anos anteriores ter competido em Espanha.

Foi uma época plena de novidades e teve as suas contrariedades, mas o piloto analisa a sua prestação na perspetiva de quem fez uma importante aprendizagem.

O nível elevado do ETCC foi o que mais impressionou Fábio Mota: “A Clio Cup España, que disputei em 2014 e 2015, tinha já um nível muito elevado, com pilotos que disputavam os triunfos na Eurocup e na SEAT Leon Eurocup, mas o ETCC representou mais um degrau”.

“Os pilotos são muito fortes, como demonstram, por exemplo, os excelentes resultados do Petr Fulín no TCR International Series com um carro que está ainda em desenvolvimento. Para além disso, tive que aprender praticamente todos os circuitos o que dificultou toda a minha tarefa. Em Paul Ricard tive o primeiro embate, mas na prova seguinte, no Slovakia Ring, já estava completamente adaptado e capaz de me bater por bons resultados, como prova o pódio que conquistei”, destaca o piloto de Gaia.

fabiomotabalancoepoca2

“Quando decidi optar por este projeto sabia que teria um enorme desafio pela frente, um dos maiores da minha carreira, e tinha como objetivo prioritário bater-me com alguns dos melhores pilotos europeus de carros de Turismo e situar-me perante eles. Penso que esse objectivo foi amplamente alcançado – hoje sou um piloto mais completo, mais forte e ainda mais rápido”, esclarece Fábio Mota.

“Estive consistentemente na luta pelos cinco melhores lugares, apesar de não ter um carro tão actualizado como a maior parte dos meus adversários, tendo conquistado um pódio logo no segundo evento. Mas tive alguns azares. Fui envolvido em incidentes sem que para eles contribuísse. O que acabou por me penalizar na classificação do campeonato”, lembra o piloto nortenho.

“O balanço é francamente positivo, uma vez que ganhei um capital de experiência que será muito útil para o futuro. Foi uma época intensa e quero agradecer aos meus patrocinadores, família, amigos e fãs pelo apoio incrível que me deram ao longo do ano”, considera Fábio Mota,

O piloto de Gaia destaca ainda o pódio no Slovakiaring como um dos pontos altos da sua época, embora a melhor recordação para si seja Vila Real: “ Cheguei à nossa prova confiante de que poderia lutar pelas vitórias e pela pole-position e desde os treinos-livres que mostrei um ritmo muito forte. Na qualificação estive na luta e penso que a poderia conquistar, mas o meu acidente na qualificação devido a uma falha de travões, acabou por virar todo o fim-de-semana do avesso”.

during the 2016 FIA WTCC World Touring Car Championship race of Portugal, Vila Real from July 24 to 26 - Photo Alexandre Guillaumot / DPPI

Depois a equipa Lema Racing conseguiu ter o carro em condições e Fábio Mota esteve em bom plano, apesar dos percalços. “Na primeira corrida tive um toque quando tentava ascender ao terceiro posto e a equipa voltou a responder de uma forma notável, permitindo-me alinhar na grelha de partida para a segunda prova e alcançar o quarto posto, depois de arrancar de último”, recorda o piloto de Gaia.

Mas Fábio Mota já pensa na próxima temporada, que passa por continuar no ETCC: “É evidente que os meus objectivos serão mais ambiciosos nesta segunda temporada, pretendendo correr em condições semelhantes às dos pilotos que este ano lutaram pelo cetro”.

“As prestações que protagonizei impressionaram diversas equipas do paddock que me fizeram propostas bastante tentadoras. Porém, a Lema Racing, que tem vindo a fazer um trabalho extraordinário, continua a ser a minha solução prioritária, mas vamos analisar todas opções cuidadosamente”, esclarece o piloto que continua a trabalhar para reunir todo o orçamento necessário.


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: