Desporto

Sporting vence Paços (3-2) em oito minutos de garra

O Sporting derrotou o Paços de Ferreira e conquistou a primeira vitória do campeonato. Oito minutos bastaram para que os leões acordassem de um pesadelo: despedir-se da luta pelo título ao cabo de quatro jornadas. Izmailov, Elias e Wolfswinkel ditaram uma sentença dura de mais para Michel, avançado que carregou o Paços às costas. Domingos voltou a sorrir.

A equipa verde e branca precisa de tempo, para criar rotinas e jogar bem, o que só faz a espaços. Mas provou que bastam oito minutos para inverter o que parecia ser uma derrota certa. E tempo é a palavra chave deste jogo.

O Sporting entrava em campo obrigado a vencer, depois de triunfos dos rivais na luta pelo título. E Domingos Paciência operou uma revolução no onze, com apenas quatro ‘sobreviventes’ na equipa titular, em relação ao jogo com o Marítimo.

Mas os primeiros minutos trouxeram uma cruel contrariedade. Um erro de Rui Patrício, que agarra uma bola passada por Rodríguez, dá direito um perigoso livre indireto, dentro da área, logo aos quatro minutos. Michel transformou a falta em golo e aumentou a pressão sobre os leões.

Não obstante um mau começo, a equipa de Domingos reagiu bem e poderia ter reposto a igualdade por mais do que uma vez. Por azar (no caso de um remate à barra de Schaars), ou por falta de eficiência (num lance em que Elias se isola perante Cássio), o domínio do Sporting não teve expressão no marcador.

O Paços quis defender, apenas, e aos 32 minutos já Cássio via um cartão amarelo por demorar numa reposição de bola. Uma equipa queria marcar e não conseguia. A outra apenas pretendia defender. O resultado foi uma primeira parte que prometeu, mas que perdeu intensidade, com o passar do relógio.

Curiosamente, e sem ‘querer’, os pacenses poderiam ter chegado ao 2-0, numa grande perdida de Michel. Rui Patrício faz uma defesa impossível e evitou males maiores para um Sporting entristecido. O intervalo chegou numa boa altura para os leões.

Da “vergonha” à reviravolta supersónica

O segundo tempo trouxe um Paços de novo ousado. Domingos percebeu que teria de mexer e lança mais um avançado no jogo, Rubio, para o lugar de Pereirinha. Segundos depois, Michel volta a marcar, num remate de cabeça fortíssimo, à entrada da área.

Era um rude golpe nas aspirações leoninas. O Sporting reagiu mal e revelou descrença. Precisou de muito tempo para se recompor e levou os adeptos ao desespero. “Vocês são uma vergonha”, gritaram.

Mas um lance acabou por ser determinante: a expulsão de Nuno Santos. O leão iria arriscar e correria menos riscos. A partir daqui, o Paços expôs-se, deixando que Izmailov reduzisse a desvantagem. Corria o minuto 76.

E a equipa de Alvalade não demorou a repor a igualdade, com uma boa desmarcação de Elias, que surge de novo na cara de Cássio, mas para faturar. Ainda restava tempo para a reviravolta, que aconteceu com um remate certeiro de Wolfswinkel. 

Em apenas oito minutos, o Sporting ergueu-se das cinzas e estreou-se a vencer no campeonato. O Paços merecia mais, mas pagou o preço de quem quis defender a partir dos cinco minutos. A claque leonina festejou o triunfo de uma equipa que, minutos antes, era “uma vergonha”.

 

Ficha de jogo

P. Ferreira, 2

Cássio; Filipe Anunciação, Cohene, Fábio Faria e Nuno Santos; André Leão, Manuel José e Vítor (João Carlos, 58); Luisinho, Michel e Caetano (Bakar, 73).

Sporting, 3

Rui Patrício; João Pereira, Rodríguez, Onyewu e Insúa; Elias, Rinaudo e Schaars (Izmailov, 45); Pereirinha (Diego Rubio, 55), Bojinov (Wolfswinkel, 64) e Diego Capel. 

Jogo no Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira, perante cerca de 8000 espetadores. Ao intervalo: 1-0. Marcadores: Michel (4 e 55), Izmailov (74), Elias (77) e Wolfswinkel (82). Cartões amarelos: Nuno Santos (24 e 70), Manuel José (27), Cássio (32) Insúa (40), Luisinho (63), João Pereira (89), Filipe Anunciação (90) e Rui Patrício (90). Cartões vermelhos: Nuno Santos (70).

Mais partilhadas da semana

Subir