Nacional

Vídeo: “É muito f… ser emigrante”, revela Sinel de Cordes

Rui Sinel de Cordes, agora a viver em Londres, traz a Portugal um espectáculo sobre a emigração e a “portugalidade”. Apesar de estar “muito feliz” na capital britânica, o humorista elogia os portugueses que emigram para singrar na vida.

“É muito f… ser emigrante”. Com poucas palavras, Sinel de Cordes descreveu como se sente um português em Londres, na entrevista para o Maluco Beleza, de Rui Unas.

“É muito f… estar fora, especialmente quando o ordenado é sempre curto. Londres deve ser a cidade mais cara do mundo, é tudo muito caro, para fazeres qualquer coisa saem-te 200 ou 300 libras do bolso facilmente num dia”, reforçou.

“Admiro imenso a luta da malta que está lá, à procura de melhores condições, de emprego, de mais projeção profissional, o que seja”, garantiu Sinel de Cordes: “É muito f…”

Conclusão a que chegou pela observação, pois pessoalmente é um privilegiado: “Não tinha de me levantar de madrugada todos os dias para apanhar o metro e ir para um emprego, não estava propriamente de ser despedido ou não e do dinheiro para pagar a casa…”

“Essas realidades todas são muito lixadas”, insistiu.

Sem revelar muito das conclusões a que chegou após observar os portugueses lá fora, uma vez que é conteúdo do espectáculo que traz a Portugal (London Eyes), o humorista comparou a intensidade de Londres a um carrossel.

“Podes ficar a ver, podes entrar à velocidade a que está a andar (quando consegues fazer isso) e podes entrar sem saberes para onde hás-de ir e levas com um cavalo nos cornos”, afirmou: “Às vezes, passas por essas três fases na mesma semana”.

“Uma semana lá é um mês aqui”, continuou Sinel de Cordes, que assume ser “muito feliz” em Londres. “Não tive saudades de nada, nem de ninguém”, garantiu.

“Houve um crescimento enorme da minha parte. Fui para Londres profundamente feliz e profissionalmente ainda mais, estava na melhor fase da minha vida. E estou. A malta vai por necessidade, eu tinha outro tipo de necessidade”, concluiu o humorista.

Veja a primeira parte da entrevista:

Mais partilhadas da semana

Subir