Nas Notícias

PS afirma que este ano haverá um abrandamento da consolidação orçamental

O PS considerou hoje que a resolução anunciada pelo Bloco de Esquerda contra o Programa de Estabilidade parte de um “equívoco”, porque a consolidação orçamental será mais baixa este ano do que em 2017.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo porta-voz dos socialistas, João Galamba, depois de o ministro das Finanças, Mário Centeno, ter apresentado em conferência de imprensa o Programa de Estabilidade 2018/2022, documento que será entregue em Bruxelas até ao final do mês e que prevê um défice de 0,7 por cento este ano.

“Apesar de a meta do défice para 2018 [0,7 por cento] ser mais baixa, isso não se traduz de forma alguma num aumento do esforço de consolidação orçamental e de redução do défice. Acontece antes devido ao bom resultado da execução orçamental de 2017. Podemos agora fazer um esforço menor do que estava previsto para 2018”, alegou o dirigente socialista.

João Galamba referiu-se sobretudo a um dado constante no Programa de Estabilidade 2018/2022 para sustentar esta tese: “O saldo primário baixa de 3 por cento em 2017 para 2,8 por cento em 2018, o que significa que toda a redução do défice este ano será exclusivamente explicada pela redução da despesa com juros”, declarou.

João Galamba considerou mesmo que este dado sobre a forma como se reduzirá o défice de 0,9 por cento em 2017 para 0,7 por cento em 2018 “é a notícia mais importante” que resulta do Programa de Estabilidade apresentado pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

Em relação à resolução que momentos antes o Bloco de Esquerda anunciou em relação ao Programa de Estabilidade, o porta-voz do PS advogou que “parte de um equívoco, porque pressupõe que metas mais baixas do défice implicam sacrifícios maiores”.

“Mas acontece exatamente o oposto. Há um abrandamento da consolidação orçamental em 2018”, vincou.

Confrontado com a acusação do Bloco de Esquerda de que haverá uma transferência de 800 milhões de euros para a redução do défice este ano, em vez de essa verba ser aplicada em investimentos em serviços públicos, João Galamba contrapôs que “esse desvio vem da execução orçamental de 2017”.

“Portanto, há um equívoco da parte do Bloco de Esquerda. Não há qualquer esforço adicional de consolidação orçamental previsto no Programa de Estabilidade. O saldo primário baixa” este ano, insistiu.

Receba esta e outras notícias virais no seu e-mail todos os dias!


Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir
error: