Desporto

Prisão preventiva para elementos da Juventude Leonina

O Tribunal do Barreiro decidiu aplicar a medida de coação mais grave aos quatro suspeitos de terem participado nas agressões ao plantel do Sporting, a 15 de maio, em Alcochete. Estes arguidos foram detidos durante esta semana e vão agora ficar em prisão preventiva.

Os quatro suspeitos foram detidos na quarta-feira e vão responder em Tribunal por terem, alegadamente, comparticipação na invasão das instalações do Sporting e nas agressões aos futebolistas e equipa técnica dos leões na Academia do clube, em Alcochete, em maio.

Detidos para serem presentes a um primeiro interrogatório judicial, os quatro suspeitos viram aplicada a medida de coação mais grave.

Dos quatro detidos, apenas Joaquim Costa, um dos ocupantes da viatura, não prestou declarações no primeiro interrogatório.

O tribunal justificou a aplicação da medida de coação mais gravosa, devido aos “tipos de crime que lhes são imputados” e por se verificarem perigo de fuga, perturbação do inquérito, “continuação da atividade criminosa, bem como de grave perturbação da ordem e tranquilidade públicas”.

O juiz justifica a aplicação desta medida face à “natureza dos ilícitos em causa e à visibilidade social que a prática dos mesmos implica, considerando, principalmente, o aumento do número e da gravidade dos comportamentos associados ao fenómeno desportivo”.

Entre os arguidos estão Fernando Mendes, antigo líder da Juventude Leonina, o condutor e os ocupantes da viatura que no dia das agressões entrou nas instalações e saiu, retirando, alegadamente, alguns agressores.

A advogada de Fernando Mendes já teve oportunidade de criticar alguns dos critérios usados para acusar o seu cliente.

A 15 de maio, a equipa de futebol profissional do Sporting foi atacada nas instalações do clube, em Alcochete.

Na altura, 23 indivíduos foram detidos e estão em prisão preventiva.

Mais partilhadas da semana

Subir