Sociedade

Prisão preventiva de Duarte Lima pode ser decretada hoje

duarte_limaJuiz de Saquarema, no Rio de Janeiro, poderá decretar prisão preventiva de Duarte Lima nesta segunda-feira. O advogado português, ex-líder parlamentar social-democrata, responde pelo homicídio de Rosalina Ribeiro.

Um feriado no Brasil atrasou uma decisão que pode surgir hoje. O juiz da cidade de Saquarema poderá determinar a prisão preventiva do português Duarte Lima, acusado da morte de Rosalina Ribeiro, em dezembro de 2009.

A acusação do Ministério Público do Rio de Janeiro, que ficou concluída na passada quinta-feira, sustenta que Duarte Lima, “de forma livre e consciente, com vontade de matar, desferiu disparos de arma de fogo”, contra Rosalina Ribeiro, causando-lhe a morte.

Duarte Lima é acusado de participar numa fraude que tinha como fim o desvio de parte da herança de Tomé Feteira. No entanto, a burla foi descoberta pela filha do milionário falecido, Olímpia Feteira de Azevedo. A filha de Tomé Feteira apresentou uma queixa contra Rosalina Ribeiro, o que terá preocupado Duarte Lima.

Ao tomar conhecimento dessa queixa, segundo o Ministério Público do Brasil, Duarte Lima “pediu insistentemente” a Rosalina Ribeiro para que “assinasse um documento” que isentaria o advogado e ex-deputado de qualquer participação na burla.

Rosalina Ribeiro “negou-se a assinar o documento”. O Ministério Público do Brasil aponta que Rosalina era “uma peça-chave para incriminar” Duarte Lima. O acusado, para poder escapar à participação na burla, teria de devolver uma quantia que rondava os 5,2 milhões de euros.

A 6 de dezembro de 2009, no Brasil, Duarte Lima “marca um encontro com Rosalina, para o dia seguinte”. Uma “multa de trânsito” comprova a deslocação de Duarte Lima de Belo Horizonte para o Rio de Janeiro.

“No dia 7 de dezembro, Domingos Duarte Lima apanhou a vítima Rosalina no quarteirão onde ela morava (…) por volta das 20h00, tendo-a levado para a Região dos Lagos. O veículo do denunciado passou pelo quilómetro 28 da RJ-106, sentido Saquarema, às 21h38, tendo passado no sentido contrário às 22h30, o que pode ser comprovado por multas de trânsito”, refere a denúncia do Ministério Público do Brasil.

E a acusação prossegue: “Na rodovia RJ-118 (…), por volta das 22h00, o denunciado Domingos Duarte Lima, com dolo de matar, desferiu disparos de arma de fogo contra a vítima Rosalina que, por sua natureza, sede e extensão, foram a sua causa de morte”.

Filha de Tomé Feteira não tem dúvidas de que Duarte Lima é culpado

A filha do milionário Tomé Feteira, em entrevista à Lusa, considera que, “lendo os elementos que existem, não resta dúvida nenhuma” de que Duarte Lima é o autor do crime que retirou a vida a Rosalina Ribeiro.

“Ninguém pode ser condenado sem julgamento. Mas, pelas informações que existem, não é difícil retirar uma conclusão…”, disse ainda Olímpia Feteira de Azevedo, que não tinha uma boa relação com Rosalina e, no início da investigação, chegou a ser apontada como possível autora do crime.

Com o avanço dessa investigação, o Ministério Público percebeu que Olímpia não poderia ter cometido o crime. Duarte Lima, até então arrolado como testemunha do crime – por ter sido a última pessoa a encontrar-se com Rosalina –, passou a principal suspeito.

Mais partilhadas da semana

Subir