País

Pedro Arroja: “A minha mãe não sabe fazer pénis, mas fez quatro” (com vídeo)

Pedro Arroja, o comentador do Porto Canal que chamou “esganiçadas” às deputadas do Bloco de Esquerda, continua a desenvolver exercícios de reflexão profunda. Veja o vídeo.

Depois de ver este vídeo, vai relativizar as palavras de Arroja sobre as deputadas do Bloco de Esquerda…

Pedro Arroja falava, no Porto Canal, sobre a adoção por parte de homossexuais. Um “tema fraturante” foi lançado para cima da mesa e dá origem a uma dissertação curiosa por parte do comentador.

Depressa associa a homossexualidade à teologia e fala de si como “homem”, que tem “órgãos genitais”. O raciocínio chega a uma conversa imaginária com a sua mãe.

“Tenho pénis, testículos, etc. E não fui eu que os fiz. Se calhar foi a minha mãe. A minha mãe já faleceu, mas eu posso facilmente imaginar eu a dialogar com a minha mãe. ‘Olha, tu sabes fazer pénis?”, começa por dizer o economista.

A conversa imaginária prossegue, com a resposta.

“Estou facilmente a imaginar a minha mãe dizer ‘ó filho, eu sei lá fazer uma coisa destas’”, prossegue. A reação: “Mas tu fizeste quatro”.

“Ela fez quatro. Mas não sabe fazer pénis”, conclui Pedro Arroja, intrigado. E para encontrar a resposta faz o mesmo exercício com o pai, até chegar à conclusão de que “foi Deus” quem criou os seus órgãos genitais.

Este foi o preâmbulo de Arroja para o comentário à adoção gay. Conclui que uma sociedade feita só por homens era “muito violenta”, enquanto numa sociedade constituída por mulheres se “falaria muito”.

A moderadora do comentário interrompe Pedro Arroja. “Mas não é isso que está em causa”, diz a jornalista do Porto Canal, com muito propósito.

Mas Arroja chega ao ponto que queria tocar: “É na conjugação dos homens e mulheres que podemos fazer uma sociedade viável”.

Arroja diz ainda que as mulheres são “incapazes de definir o caminho”. Só o homem o consegue. Mas, sem a moderação que a mulher dá ao homem, este “só faz asneiras”.

“Um homem sozinho só faz asneiras, a mulher sozinha não sabe para onde ir”.

“Se eu pudesse voltar a ser criança e me perguntassem: ‘você tem três hipóteses: ou ser adotado por um casal heterossexual, ou ser adotado por um casal de dois homens, ou ser adotado por um casal de duas mulheres’. Eu, sabendo o que sei hoje, só poderia dar uma resposta – ser adotado por um casal heterossexual”, garante o economista.

E porquê? As justificações neste vídeo de nove minutos, onde Pedro Arroja se manifesta contra a adoção gay.

“São soluções más. A educação dessas crianças será deficiente. Deus pôs um homem e uma mulher para conceberem um filho”, disse.

Veja o vídeo do raciocínio de um homem a justificar as opções de Deus.

Mais partilhadas da semana

Subir