Política

Passos Coelho: “Políticos que deixam resvalar despesa devem ser criminalmente responsabilizados”

passos_coelho4A frase proferida por Pedro Passos Coelho enquadra-se na dívida oculta da Madeira, mas foi proferida noutro contexto, há um ano. Hoje, já primeiro-ministro, Passos recusa-se a retirar confiança a João Jardim e tenta fugir ao buraco que Jardim cavou e tentou que ninguém visse.

Há um ano, quando ainda não era primeiro-ministro, Passos Coelho defendeu que quem gere mal as contas de um governo deveria ser levado à Justiça. A 6 de novembro de 2010, num discurso em Viana do Castelo, Passos Coelho defendeu a criminalização de atos de má gestão, mesmo que feitos de forma inconsciente.

“Se dissermos que a despesa irá ser 100 e ela for 300, aqueles que são culpados pelo resvalar dessa despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus atos e suas ações”, afirmou o líder social-democrata, num jantar do partido.

Um ano depois, perante o buraco consciente de João Jardim, o discurso é bem diferente. Confrontado com o desafio de António José Seguro, líder do PS, que quis saber se Passos Coelho mantém a confiança política no presidente do Governo Regional da Madeira, o chefe do Governo foi mais tolerante.

“Alberto João Jardim é presidente do Governo Regional e do PSD da Madeira. A confiança política é uma matéria que depende do PSD da Madeira e dos eleitores locais”, disse, há dias.

Refira-se que a lei prevê pena de prisão (até um ano) para qualquer titular de cargo político que viole, de forma consciente, o dever de cumprir as normas da execução orçamental.

Mais partilhadas da semana

Subir